Total de visualizações de página

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Ao longo dos séculos o amor perseverou e tentou profundamente entrar no espírito humano, porém, aturdido ao peso de tantos desencantos, o amor pôs-se a orar a Jesus. Após demorada meditação entre anseios e preces, o amor escutou a voz inolvidável, como se retornasse ao silêncio dos séculos a falar-lhe confiante e bondosa:

"Dar-te-ei alguém que de agora em diante cobrirá tuas pegadas, por onde quer que vás, com o perfume da minha ternura. Estará ao teu lado em todas as investiduras novas e falará no teu silêncio com a poderosa voz da ação realizadora. Jamais tornarás pelas sendas do serviço a sós."

Foi então que o amor, erguendo-se, fitou o céu...
Dourado raio luminoso rasgou as distâncias e modelou no ar um flamejante coração que, após graciosos movimentos, desceu, fundindo-se no seu coração.
Começava ali uma era nova para a fé.

O CONSOLADOR abria a gora a cortina de um novo mundo, inaugurando o reinando anunciado por Jesus-Cristo e, quando as trombetas anunciaram os tempos chegados, Allan Kardec, o escolhido pelo Mestre Jesus, colocava como enunciado máximo da doutrina que em breve iria iluminar a Terra, o grandioso mandamento:

"Fora da Caridade não há salvação."

E hoje, em todo lugar onde brilha a luz clara e bendita do Espiritismo, encontramos o amor e a caridade, unidos, construindo o mundo cristão.

Manoel Philomeno de Miranda (espírito), psicografia de Divaldo Franco.
Livro: Mediunidade: Desafios e Bençãos.
........................................................................................................

"A desencarnação de forma alguma liberta o espírito dos seus hábitos e necessidades até então cultivados. Conforme seja o seu cultivo - vícios ou virtudes - o espíritos despertará com as impressões vivas que lhe são correspondentes. 
Desse modo, a vida na Terra é educandário eficiente por facultar a aquisição dos recursos superiores mediante a superação das paixões primárias, asselvajadas, substituídas pelas emoções do amor, do bem e da realização.
Sempre é tempo para recomeçar, edificar-se, enquanto no corpo, desce que, ocorrendo a desencarna~~ao, passa-se à colheita das ações e a reabilitação dar-se-a somente na Terra mesmo - ou em outro plano físico - quando luzir a claridade e outra reencarnação. 
Todo o empenho pela transformação moral deve ser investido sem limite, a fim de que, desperto, dsede hoje, o espírito se liberte do veículo físico liberado, como alguém que se desincumbiu do dever e superou os limites provacionais."

Manoel Philomeno de Miranda (espírito), psicografia de Divaldo Franco.
Livro: Mediunidade: Desafios e Bençãos.

...................................................................................

"A mediunidade é faculdade da alma que se reveste de células no corpo, a fim de permitir a decodificação da onde de pensamento procedente de outra dimensão , para torná-la entendimento objetivo.
Allan Kardec informa que se trata de uma faculdade que todos os seres humanos possuem, em diferentes graus de percepção, como uma certa predisposição orgânica, sendo raro aquele que não lhe possua qualquer rudimento. 

Sem dúvida, foi o Codificador do Espiritismo quem teve a coragem de encarar a mediunidade como seriedade e penetrá-la com segurança, realizando investigações audaciosas e significativas. Ampliando, assim, as observações e os estudos, descobrindo novos caminhos e detectando diferentes comportamentos, elaborou e trouxe a lume, após o brilhante e magnífico O Livro dos Espíritos, o extraordinário O Livro dos Médiuns, que se tornaria o indicador seguro para todos aqueles que se interessassem pela nova doutrina.

Consciente das responsabilidades que lhe dizem respeito, o médium consciente de si mesmo e das lições edificantes do Espiritismo, empenha-se com denodo para ser sempre melhor moralmente, esforçando-se por alcançar patamares mais elevados da evolução, sempre objetivando servir mais e melhor.
Tornou-se, então, fácil e seguro ao investigador honesto analisar a mediunidade com os próprios conhecimentos, munindo-se da oração e da dignidade no comportamento, a fim de movimentar-se nas duas esferas da vida com inexcedível júbilo."


Manoel Philomeno de Miranda (espírito), psicografia de Divaldo Franco.
Livro: Mediunidade: Desafios e Bençãos.

----
O Espiritismo
www.oespiritismo.com.br