Total de visualizações de página

quinta-feira, 28 de junho de 2012

ESPERO SEU COMENTÁRIO


Trabalho na doutrina espírita.

Semanalmente temos auxiliado espíritos errantes no tocante a importância de se ajustar com Jesus no caminho do bem. Muitos desses irmãos se encontram em zonas umbralinas, verdadeira metrópoles do mal, as quais estão sendo esvaziadas, a fim de que esses espíritos possam, ainda que, contra suas vontades, ter novas oportunidades de recomeçar, em outro orbe, pois a terra está entrando numa nova fase, chamada era de ouro, ou como os espíritas chamam: planeta de regeneração.

 
Ocorre que, para que nós encarnados possamos seguir com nossas missões sem interferência indesejada, ou seja, sem o assédio de espíritos radicados no mal, os quais nos influenciam todo momento, dado às oportunidades que lhes oferecemos dia a dia com nossas baixas vibrações, sejam elas pensamentos nocivos, atitudes impulsivas, vícios, entre outras, é inadiável que esses irmãos sejam repatriados, a exemplo do que já ocorreu neste mesmo planeta, tempos atrás. 

 
Os espíritos os quais estamos encaminhando semanalmente pertenceram, em sua maioria, e também foram os lideres dos movimentos mais cruéis que se teve notícia na terra. Lideraram e participaram de grandes chacinas como as cruzadas da Igreja, a Santa inquisição, noite de São Bartolomeu, a primeira e segunda guerra mundial, entre outros eventos. Tivemos mais de um milênio de maldades inimagináveis, hoje. Porém, esses mesmos espíritos, em sua maioria, ainda nos inspiram sutilmente, a todo instante. Daí a importância de não mais estarem próximos de nós. Estão sendo, todos, encaminhados a um mundo primitivo, pra recomeçar, uma vez que não aceitam a reforma moral, neste mundo.

 
Os espíritos do bem, Seareiros de Jesus, têm nos falado a respeito de tais mudanças em nosso orbe.

 
Os benfeitores espirituais nos informam que :

 
- É do conhecimento de muitas pessoas na terra, e apesar disso a humanidade será informada, por intermédio de seus líderes, com maiores detalhes, quanto aos efeitos dessa mudança no planeta Terra. O fenômeno mais discutido no momento é a aproximação de um imenso planeta em nosso sistema solar, chamado de Nibiru, ou Hercolubus, ou ainda planeta X.

 
- O planeta Nibiru é o novo mundo desses espíritos atrasados. Milhões desses espíritos estão sendo encaminhados semanalmente à superfície da lua, por intermédio de gigantescas naus, invisíveis aos nossos olhos. Esses espíritos possuem seu corpo fluídico tão denso que necessitam de transporte apropriado. Muitos deles adquiriram formas monstruosas, sejam rastejantes, dragões, pássaros pré-históricos, entre outras formas medonhas. Muitos são magos, feiticeiros, líderes de falanges, mandantes. 

 
- Espíritos de luz, muito evoluídos, de outros orbes, auxiliam Jesus nessa missão na terra. Hoje, já estão trabalhando no orbe terreno aproximadamente 1 trilhão de espíritos do bem, entre eles grandes mestres ascensionados, inclusive nosso querido Chico Xavier.

 
- Com a aproximação desse planeta, muitos fenômenos catastróficos irão ocorrer no planeta terra, todos necessários a higienização e limpeza da crosta terrestre e de sua psicosfera. Transformação dos fluídos malignos em benéficos. Muitas serão as tragédias que iremos vivenciar e para tanto devemos nos preparar. Informam-nos que a limpeza total do planeta irá se dar em 2022, tal é o nível de intoxicação da crosta e quantidade de demais espíritos a ser resgatados. O planeta Nibiru se posicionará entre a terra e o Sol e isso proporcionará 3 dias de eclipse. Com a ausência do sol por 3 dias teremos sérios eventos, como por exemplo, ausência de fotossíntese.
Serão três dias sem qualquer forma de energia na terra, portanto, sem comunicação e transporte.
Porém, o maior estrago se dará por conta do campo magnético de Nibiru, que influenciará diretamente o deslocamento dos pólos magnéticos da terra, ocasionando assim, grandes inundações, terremotos, atividades vulcânicas, tsunamis, etc...Os espíritos nos informam que estão trabalhando com muita dedicação e compaixão, a fim de amenizar a dor dos encarnados. Informam-nos que pessoas mais idosas com enfermidades serão poupadas, pelo desencarne antecipado. 

 
- Os espíritos nos pedem que nos religuemos a Deus a fim de que possamos rever nossa tão protelada reforma íntima. Pedem-nos que mantenhamos bons pensamentos, pratiquemos a caridade com o próximo, que pratiquemos o perdão, que oremos com mais freqüência, de modo que eles possam nos auxiliar com maior êxito. Está sendo ofertada a proposta de arrependimento aos irmãos encarnados que ainda se comprazem no mal. Daí a importância da caridade espiritual que todos nós podemos praticar por intermédio de um simples “ouvir“, de uma palavra amiga, de um abraço. Essa é uma missão coletiva.
- Talvez você não tenha parado para pensar, ou mesmo não saiba, mas nós que estamos encarnados, nesse momento, somos espíritos que aceitaram a proposta de arrependimento e redenção que a espiritualidade maior nos ofereceu, mais uma vez. Nosso merecimento em estar aqui faz parte do processo de regeneração e por nosso intermédio estão chegando milhões de espíritos mais evoluídos, os quais darão início aos novos tempos. 
O Brasil é um dos países que mais será poupado, em todos os aspectos, uma vez que o povo brasileiro é resignado e nosso país foi escolhido como a pátria do evangelho, dado a sua liberdade de culto e respeito as diversas manifestações do alto. Em outras palavras, haveremos de trabalhar muito a fim de aliviar a dor e a fome de outras nações, esfaceladas no orgulho, vaidade e soberba. Você se recorda da expressão “Celeiro do Mundo”? 
“Juízo final”?  É por isso que somos tratados como Trabalhadores da última hora. Participe desse instante de mudança, ajude a espiritualidade a nos ajudar.  Daí a importância do texto que segue, quanto ao alerta que os espíritos nos fazem.

 
O alerta da Espiritualidade Maior

 
Os benfeitores espirituais nos alertam que :

 
O planeta Nibiru deverá nos visitar entre Julho e agosto deste ano. Porém, poderá haver um atraso em sua passagem que poderá se dar até dezembro ou mesmo janeiro de 2013.

 
- É de se esperar que haja falta de alimento e água potável em muitas regiões do planeta, bem como moradia, roupas, calçados. Com isso o Brasil deverá auxiliar essas nações. Assim sendo, os espíritos nos pedem a prudência de armazenar água potável e alimento enlatado, sendo o estoque pra aproximadamente 2 meses. 

 
- É de se esperar que o oxigênio esteja um pouco escasso, então nos pedem que mantenhamos as portas e janelas fechadas a fim de usufruir a qualidade do ar mantido no interior da casa. Alertam-nos quanto a importância de usarmos apenas uma vela para iluminar a casa a fim de não esgotar o oxigênio. Não usar o fogão nesses 3 dias para evitar a queima do oxigênio.

 
- É de se esperar que haja desequilíbrio emocional em algumas pessoas, daí a importância de ir se conscientizando desse momento e não estar só na ocasião.

 
- É de se esperar que alguns oportunistas  queiram tirar proveito da ocasião a fim de praticar roubos, furtos, saques, depredações e mesmo por parte de pessoas que terão o entendimento de que o mundo está acabando. Para esse fato, os espíritos nos pedem que não saiamos às ruas durante esses 3 dias a fim de evitar o contato com essas pessoas. Nos Estados Unidos, por exemplo, já foi criada a lei Márcial que dá direito aos militares e às Forças armadas de reprimir esse tipo de ação com armas de fogo, ou seja, tirando a vida da pessoa, e até mesmo recolhendo em campos de concentração, já construídos. 

 
- Pra finalizar, entenda que, não haverá meio de transporte e comunicação devido à falta de energia. Podendo esses inconvenientes se estender para um período muito maior que 3 dias. Não deixe de se programar em estar com as pessoas importantes em sua vida, faça um planejamento, pois o evento se dará de um dia para o outro. Iremos dormir, será uma noite muito fria, e iremos acordar sem a luz do sol. Esse é o sinal da presença de Nibiru. Os pássaros não irão cantar nessa manhã. Programe-se. 
A questão do estoque de alimento e água é fundamental. Providencie uma outra caixa d’água ou alguns tambores pra armazenar água. Não deixe de estocar alimentos desde já.
Não se esqueçam jamais que não estamos sozinhos. Nossa maior fonte é a oração.

 
Segue alguns links referentes ao assunto:

 
Declaração oficial do administrador da NASA - www.nasa.gov/centers/hq/emergency/personalPreparedness/index.html

 

 

 

Gostaria de aproveitar esses escritos para conversar um pouco com você. Às vezes estamos tão atarefados com o mundo à nossa volta, que esquecemos de olhar para o nosso próprio interior, esquecemos de viver a nossa própria vida. Gostaria, portanto, que nesse momento, enquanto você corre os olhos pelas palavras aqui escritas, se despojasse de toda e qualquer preocupação. Ao menos por alguns minutos, peço a você que se esqueça do mundo à sua volta, dos problemas do dia-a-dia, das ocupações que lhe tomarão o tempo a seguir. Nesse instante, entregue seu corpo e alma a esse pequeno texto, deixando-o falar com o mais profundo de sua consciência.

Nosso planeta é um lugar muito interessante. Suas formações são de uma beleza tão incrível que se torna quase impossível passar ileso por certos eventos, como um pôr-do-sol, uma noite enluarada, um céu estrelado, um arco-íris que cruza o firmamento. Eu disse quase, pois não é raro que tais acontecimentos passem despercebidos, ignorados.

Hoje em dia, vivendo em nossas cidades de concreto, muitos não são capazes de notar a beleza do lugar onde estamos. Esquecem que mesmo com todas as formas de poluição, com toda a devastação e com todos os edifícios que o "progresso" ergueu perante nossos olhos, a natureza dá ainda seu espetáculo. O pôr-do-sol continua sendo belo, ainda que envolvido por um horizonte cinza. A Lua continua formosa em sua viagem noturna, ainda que o brilho da cidade tente ofuscar sua maravilhosa luz...

Leia este artigo na íntegra, no site da Revista Cristã de Espiritismo!


CHICO ESCLARECE

Deve-se aceitar a lei do carma passivamente ou temos condições de modificá-la, talvez, para uma condição melhor?


Chico Xavier:
- Aquilo que ficou estabelecido como sendo nossa dívida é uma determinação que devemos pagar. Se comprei e assumi a dívida, devo pagar.
É o que consideramos destinação, é o carma.
Mas isso não impede a lei da criatividade com a qual nós podemos atuar todos os dias para o bem, anulando o carma, chamado de sofrimento.
Vamos supor que uma criatura está doente e precisa de uma intervenção cirúrgica. É o caso de perguntarmos: ela deve ou não se submeter à intervenção cirúrgica, o que tem todas as possibilidades de êxito?

Ela deve sim, deve preservar o seu próprio corpo, é um dever procurar a medicina e se valer do socorro médico para a reabilitação do seu próprio organismo. Então, aí está uma resposta a esta questão.

A misericórdia de Deus sempre nos proporciona recursos para pagar ou reformar os nossos títulos de débito, assim como uma organização bancária permite que determinadas promissórias sejam pagas com grandes adiantamentos, conforme o merecimento do devedor.

Assim como temos grande número de amigos avalistas a nos tutelar nos Bancos, temos também os espíritos extraordinários que são os santos, os anjos, os nossos amigos espirituais que pedem por nós, que auxiliam, que nos dão mais oportunidade para que a gente tenha mais tempo. Por isso que a pessoa deve cuidar bem de seu corpo, porque ele é a enxada com a qual a criatura está semeando e lavrando o terreno do tempo e das boas ações.

De modo que existe o carma, mas existe também o pensamento livre, porque nós somos livres por dentro da cabeça.

Livro Chico Xavier – Mandato de Amor, editado pela União Espírita Mineira.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

O milagre dos peixes e dos pães realmente existiu?


Por Amilcar Del Chiaro Filho
Ao conversar com alguns amigos espíritas, entristecemo-nos pelo modo com que observam os Evangelhos, aceitando-os de capa a capa, ou como está escrito, sacralizando os conceitos ali emitidos, como se os evangelistas não tivessem sido anotadores dos acontecimentos, e terem escrito muitos anos depois da desencarnação do Mestre Galileu. Para nós, essas pessoas estão abdicando do direito de questionar, argüir, e procurar explicações mais aceitáveis para alguns acontecimentos.

Vamos exemplificar com uma passagem que nos veio à mente; a da multiplicação dos pães e peixinhos. Teria essa passagem ocorrido, realmente? Se ocorreu não teria sido aumentada ao passar pela tradição oral de boca a ouvido durante três décadas, até ser escrito o primeiro Evangelho?

Hoje, com o conhecimento espírita, sabemos que pode ter acontecido realmente, mas nunca através de milagre, pois as leis divinas não são derrogadas.
Vamos examinar sob a nossa ótica, o que poderia ter ocorrido: Sabemos que nas sessões de efeitos físicos, os Espíritos podem construir alguns objetos usando os fluidos apropriados dos médiuns. Sabemos de casos em que os eles fabricaram e/ou transportaram bombons e outras guloseimas.

Kardec explica no Livro dos Médiuns e na Revista Espírita que a matéria está disseminada no espaço e os espíritos podem aglutiná-la, com a força do pensamento, para um determinado efeito. Ele chamou isto de, laboratório do mundo invisível.
Ora, Jesus de Nazaré tinha uma extraordinária força psíquica, e o mundo espiritual estava à sua disposição para ajudá-lo. Portanto era perfeitamente possível a materialização de pães e peixes suficiente para alimentar aquelas pessoas.

A segunda hipótese seria a do fenômeno de transporte. Os Espíritos teriam transportado o pão assado e o peixe frito de lugares onde eles existiam. Certamente, as casas de moradia e algum comércio. Esta tese esbarra em duas dificuldades: 1ª) A desonestidade, pois algumas pessoas sofreriam prejuízos. 2ª) Não se fabricava tantos pães, pois cada família fazia o suficiente para o seu consumo. Não havia casas comerciais, como as que conhecemos hoje, que comercializam o pão.

A nossa lógica tem outra explicação: a fraternidade, a solidariedade. Como aquele rapazinho, muitas outras pessoas deveriam ter levado algum lanche. Ao vê-lo entregar os seus pães e peixinhos, muitos outros fizeram o mesmo, e todos se fartaram.

Então não houve um milagre? Houve sim! O milagre da fraternidade a ponto de alguns dividirem o que era apenas seu.

Um último lembrete: para reunir cinco mil homens, fora as mulheres e crianças, seria necessário esvaziar centenas de aldeias e pequenas cidades da judéia, pois cada aldeia deveria ter 150 moradores ou um pouco mais.

Os evangelistas mentiram? Não! Mas talvez tenham se entusiasmado. Porém deixaram uma lição: a solidariedade. A fraternidade faz milagres!

Nota: Nosso querido Amilcar Del Chiaro Filho desencarnou em 2006.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Semana Chico Xavier em Pedro Leopoldo





Fundado por Chico Xavier, o Centro Espírita Luiz Gonzaga, em Pedro Leopoldo (MG) promove a Semana Chico Xavier, iniciando com lembrança do 10º. aniversário de desencarnação do médium, no dia 30 de junho, e com o seminário “Os trabalhadores espíritas e os primeiros cristãos, à luz da obra Paulo e Estêvão”, no dia 1º. de julho.


Este será desenvolvido nas dependências da Fazenda Modelo, no Espaço Cultural Chico Xavier, com a atuação de Antonio Cesar Perri de Carvalho, Célia Maria Rey de Carvalho, Haroldo Dutra Dias e Wagner Gomes da Paixão. 

O Consolador

O Consolador

Clique e ouça ou baixe o livro.

O Livro dos Espíritos

O Livro dos Espíritos

O aluno agressivo e o professor paciente





Havia um aluno muito agressivo e inquieto naquela escola.

Ele perturbava a classe e arrumava freqüentes confusões com os colegas.

Era insolente e desacatava a todos.

Repetia os mesmos erros com freqüência.

Parecia incorrigível.

Os professores não mais o suportavam.

Cogitaram até mesmo de expulsá-lo do colégio.

Antes disso, porém, entrou em cena um professor que resolveu investir naquele aluno.

Todos achavam que era perda de tempo, afinal, o jovem era um caso perdido.

Mesmo não tendo apoio de seus colegas, o professor começou a conversar com aquele jovem nos intervalos das aulas.

No início era apenas um monólogo, só o professor falava.

Aos poucos, ele começou a envolver o aluno com suas próprias histórias de vida e com suas brincadeiras.

De modo gradativo, professor e aluno construíram uma ponte entre seus mundos.

O professor descobriu que o pai do rapaz era alcoólatra e espancava o garoto e sua mãe.

Compreendeu que o jovem, aparentemente insensível, já tinha chorado muito e, agora, suas lágrimas pareciam ter secado.

Entendeu que sua agressividade era uma reação desesperada de quem pedia ajuda.

Só que ninguém, até então, havia decifrado sua linguagem.

Era mais fácil julgá-lo do que entendê-lo.

O sofrimento da mãe e a violência do pai produziram zonas de conflito na memória do rapaz.

Sua agressividade era um eco da violência que recebia.

Ele não era réu, era vítima.

Seu mundo emocional não tinha cores.

Não lhe haviam dado o direito de brincar, de sorrir e de ver a vida com confiança.

Agora estava perdendo também o direito de estudar, de ter a única chance de progredir.

Estava para ser expulso do Colégio.

Ao tomar consciência da real situação, o professor começou a conquistá-lo.

O jovem sentiu-se querido, apoiado e valorizado, pela primeira vez na vida.

O professor passou a educar-lhe as emoções.

Ele percebeu, logo nos primeiros dias, que por trás de cada aluno arredio, de cada jovem agressivo, há uma criança que precisa de afeto.

Em poucas semanas todos estavam espantados com a mudança ocorrida.

O rapaz revoltado começou a demonstrar respeito pelos outros.

Abandonou sua agressividade e passou a ser afetivo.

Cresceu e tornou-se um aluno extraordinário.

Tudo isso porque alguém não desistiu dele.



*   *   *



Professores ou pais, todos queremos educar jovens dóceis e receptivos.

Queremos ver brotar diante de nossos olhos as sementes que semeamos.

No entanto, são os jovens que nos desapontam, que testam nossa qualidade de educadores.

São filhos complicados que testam a grandeza do amor dos pais.

São os alunos insuportáveis que testam a capacidade de humanismo dos mestres.

Pais brilhantes e professores fascinantes não desistem dos jovens, mesmo que eles causem frustração e não lhes dêem o retorno imediatamente esperado.

Paciência é o segredo.

A educação do afeto é a meta.

Os alunos que mais decepcionam hoje poderão ser aqueles que mais alegrias nos trarão no futuro.

Basta investir tempo e dedicação a eles.

Pense nisso.




Redação do Momento Espírita, com base no cap. 5 do
livro Pais brilhantes – professores fascinantes, de
Augusto Cury, ed. Sextante.
Em 04.08.2008.


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/meditacao-diaria/o-aluno-agressivo-e-o-professor-paciente-43113/?PHPSESSID=323c76d967e363f0de6030ef96d96bb8#ixzz1yQack3Xz

Espíritos viciados no mundo espiritual


Relato sobre a psicografia com o espírito Tiago.

Por Marcos Alberto Ferreira

Até o momento de redigir esta apresentação, confesso, não havia me dado conta da riqueza da experiência vivida com Tiago.
Espírita desde infância, desde cedo estou envolvido nos trabalhos, inicialmente assistenciais e, posteriormente, doutrinários. O exemplo de meus pais tem sido a bússola que guia os meus passos nessa seara.
Na década de 1990, quando judiciava na Comarca de Carmo de Minas, primeira que me abrigou como Juiz de Direito, tive minha primeira experiência no trabalho de prevenção contra as drogas. Com o auxílio de diversos cidadãos da comunidade local, da então Promotora de Justiça daquela Comarca, Dra. Regina Capelli Pinto, e velando-me da coordenação de minha esposa, Rosa Maria, companheira de todos os momentos, iniciou-se um trabalho envolvendo professores e alunos dos três municípios que integravam aquela Comarca: Carmo de Minas, Soledade de Minas e Dom Viçoso. Foram ministradas palestras para os professores e realizando um concurso com os alunos.
Foi uma grande experiência para os envolvidos. Todos aprenderam muito, inclusive eu. Antes, em Poços de Caldas, já havia tido uma experiência no RENASCER – Centro de Tratamento de Dependentes Químicos, mas só depois da experiência vivida em Carmo de Minas percebi a extensão da magnitude do problema. Constatei que droga não é uma questão somente do dependente químico, mas de seus familiares, amigos, colegas de escola e trabalho, além de toda a comunidade. Todos sofrem na nefasta influência das drogas.
Hoje, ao refletir sobre minha experiência com Tiago, tive a nítida impressão de que ela se iniciou com aquele movimento. A partir daquele momento me interessei pelo assunto, busquei informações, estudei e adquiri um aprendizado que me facilitou o recebimento dos textos psicografados sobre o tema.
Em abril de 1998, aportei, acompanhado de minha família, na Comarca de Espinosa, região norte de Minas Gerais, de onde também guardo grata lembrança. Conseguimos reunir um grupo que ficou conhecido na comunidade como Comissão Pró-Vida. Foi novamente dirigido por minha mulher e composto de professores, representantes de diversas religiões, profissionais liberais, empresários e outros cidadãos. A droga era o objetivo, mas que foi trabalhado por etapas. Em uma primeira fase, a Comissão abordou o tema família. Foram ministradas palestras para professores, pais e alunos, inclusive na zona rural, envolvendo os municípios de Espinosa e Mamonas. Foram formados grupos que atendiam, em domicílio, casos especiais de alunos que eram indicados pelos professores em razão de problemas de convivência demonstrados em sala de aula.
Essa etapa durou cerca de um ano e, posteriormente, iniciou-se uma segunda etapa, com a mesma forma de atuação sobre “Cidadania”.
Foi exatamente nessa época que tive meu primeiro contato com psicografia. De início, a experiência foi bastante difícil, principalmente porque me trazia muitas dúvidas e insgurança.
Mesmo a distância, por telefone e e-mail, fui recebendo orientações do Dr. Reynaldo Leite, pessoa de saudosa memória, a quem sou muito grato.
Quando em Espinosa, recebo muitas mensagens e orientações. Mas, quando me transferi para Muzambinho, na região sul de Minas Gerais, em janeiro de 2001, é que a minha atuação na psicografia tomou maior vulto. Muitas foram as mensagens recebidas e muitas orientações quem me auxiliaram na realização de palestras.
Na manhã de 15 de maio, depois da oração e do estudo, uma surpresa. Recebi o primeiro capítulo de que me pareceu ser um livro. Nascia, ali, o Memórias de um Toxicômano. Somente alguns dias depois vim tomar o conhecimento do nome do autor espiritual, por meio do texto do próprio livro.
Identifiquei-me prontamente com a história e, em especial, com os personagens de Tiago e Karina. Em cada capítulo era uma emoção diferente. Não tenho consciência de ter estado nos lugares indicados na história, mas tenho-os, em detalhes, em minha memória. Ri e chorei várias vezes. Emocionava-me como se tudo estivesse acontecendo no exato momento em que a narrativa se materializava no papel. Procurava-me conter, pois sabia que não poderia interferir na história. Assim, quando terminava o trabalho de psicografia, procurava não pensar no que havia escrtio para que não tentasse adiantar, por mim mesmo, a continuidade do texto. A oração era o meu refúgio mais seguro.
Foram dias e doce lembrança, que culminaram em 10 de julho de 2001, quando se concluíram os trabalhos de psicografia deste livro. Naquele período de convivência quase diária, aprendi a identificar a presença e a manifestação de Tiago, embora não o tivesse visto. Sua presença me é sempre muito agradável. Ele traz característica da juventude, com muita energia e vontade de mudar o mundo. A diferença é que Tiago já aprendeu que só poderá transformar o mundo modificando a si mesmo.
Depois de digitado, entreguei o texto para duas pessoas estudiosas na Doutrina Espírita para que me ajudassem a fazer uma séria avaliação sobre o conteúdo e a viabilidade de sua publicação. O Dr. Reynaldo Leite e o senhor Djalma Ferreira, passado alguns meses, me trouxeram seus pareceres, ambos na mesma semana e favoráveis à sua publicação.
Terminada a psicografia do livro, tive a oportunidade de perceber, não raro, a presença de Tiago, nas sessões de estudo, em minha casa, e quando me encontrava na casa espírita. Sempre me foi e me é uma presença bastante agradável, que me transmite realização, vontade de crescer e aprender.
Depois de alguns meses, em uma manhã cuja data não me recordo, tive o primeiro contato visual com Tiago. São raras as ocasiões em que me é permitido visualizar o Mundo Espiritual. Havia terminado o estudo e fazia uma oração para iniciar a psicografia, caso houvesse mensagem a ser recebida. Percebi adentrar na sala um garoto com aparência de 17 ou 18 anos, magro, de estatura mediana para alta, pele e cabelos claros e um lenço na cabeça, hoje conhecido como bandana, fixado de forma bastante peculiar. Admirava seu belo sorriso, quando ouvi: “ Este é Tiago”. Confesso quem me surpreendi, porque o havia imaginado com muitas aparências , mas nenhuma delas seque parecida com a visão daquele momento. A visão foi sequer parecida com a visão daquele momento. A visão foi rápida, mas até hoje a trago no coração por ter sido a primeira.
No início de 2003, tive uma experiência que muito me emocionou. Era fim de tarde e início da noite de um domingo, quando me reuni com a família, mulher e filhos, no escritório de minha casa, para que juntos proferíssemos uma oração. Como de costume, lemos uma página edificante e minha esposa fez a oração. Naquele momento, me foi permitida a visão do Plano Espiritual, de forma que jamais vou esquecer.
Na minha frente, estavam reunidos diversos espíritos amigos e familiares desencarnados. Entre eles, pela primeira vez, tive a grata oportunidade de visualizar a presença de meu pai e de minha avó paterna. Foi um momento de grande emoção.
Percebi que à minha esquerda também se encontravam, muitos espíritos, todos de maneira respeitosa e acompanhando a oração. À minha direita, estavam muitos jovens e uma mesa, sobre a qual havia muitos livros. Prestei atenção neles e constatei que todos eram exemplares deste livro: Memórias de um Toxicômano. Só depois vislumbrei que Tiago estava entre os jovens. Ele se aproximou de mim, com lágrimas nos olhos, e me deu um forte abraço. Mostrou-me um exemplar e disse-me que havíamos conseguido. Afirmou, ainda, que, na Espiritualidade, o livro já havia sido editado e estava beneficiando a muitos. A emoção daquele momento está guardada até hoje em minha memória. Abraçamo-nos, choramos muito e fizemos uma oração de agradecimento.
Quando retomei a consciência no corpo, percebi que minha mulher terminara a oração e todos choravam. A emoção havia tomado conta dela e de meus filhos, mesmo que não tivessem tido a oportunidade de presenciar a cena.
Para complementar a obra, a Editora Mundo Maior resolveu publicar o livro, que, agora, está em sua terceira edição. Espero, de coração, que ele seja bastante útil e proveitoso para estudo e compreensão do problema das drogas.
Nele o leitor vai verificar a existência de alguns termos que normalmente são utilizados entre os usuários. A importância de se manter o texto desta forma é preservar sua originalidade e proporcionar uma exata visão da realidade do ambiente vivido por nossos irmãozinhos toxicômanos.
Ao iniciar a leitura, mergulhará em um rio de dor e sofrimento, mas também em um mar de amor, carinho e solidariedade, mantido pelos seareiros do Mestre. Terá certeza de que o Amor e a presença de Deus estão em todos os lugares e podem resgatar a todas as criaturas.
Se a leitura deste livro for capaz de retirar uma só pessoa do mundo das drogas, ou orientar um só pai a conduzir seu filho que estiver trilhando esse caminho, seu objetivo terá sido conquistado.
Muito obrigado pela atenção e que Jesus abençoe a todos.
Marcos Alberto Ferreira.


Pacote Memórias de um Toxicômano e Corações em Busca de Paz

Pacote Memórias de um toxicomano e Corações em busca de paz
R$57,80
R$46,24
Você Economiza: 20.00%

Dica para leitura

Mediunidade :  Desafios e bençãos .
Por Divaldo Pereira franco
Ditado por : Manoel Philomeno de Miranda.

Caridade


Os Bons Espíritas

Bem compreendido, mas sobretudo bem sentido, o Espiritismo leva aos resultados acima expostos, que caracterizam o verdadeiro espírita, como o cristão verdadeiro, pois que um o mesmo é que outro. O Espiritismo não institui nenhuma nova moral; apenas facilita aos homens a inteligência e a prática da do Cristo, facultando fé inabalável e esclarecida aos que duvidam ou vacilam.
Muitos, entretanto, dos que acreditam nos fatos das manifestações não lhes apreendem as conseqüências, nem o alcance moral, ou, se os apreendem, não os aplicam a si mesmos. A que atribuir isso? A alguma falta de clareza da Doutrina? Não, pois que ela não contém alegorias nem figuras que possam dar lugar a falsas interpretações. A clareza e da sua essência mesma e é donde lhe vem toda a força, porque a faz ir direito à inteligência. Nada tem de misteriosa e seus iniciados não se acham de posse de qualquer segredo, oculto ao vulgo.
Será então necessária, para compreendê-la, uma inteligência fora do comum? Não, tanto que há homens de notória capacidade que não a compreendem, ao passo que inteligências vulgares, moços mesmo, apenas saídos da adolescência, lhes apreendem, com admirável precisão, os mais delicados matizes. Provém isso de que a parte por assim dizer material da ciência somente requer olhos que observem, enquanto a parte essencial exige um certo grau de sensibilidade, a que se pode chamar maturidade do senso moral, maturidade que independe da idade e do grau de instrução, porque é peculiar ao desenvolvimento, em sentido especial, do Espírito encarnado.
Nalguns, ainda muito tenazes são os laços da matéria para permitirem que o Espírito se desprenda das coisas da Terra; a névoa que os envolve tira-lhes a visão do infinito, donde resulta não romperem facilmente com os seus pendores nem com seus hábitos, não percebendo haja qualquer coisa melhor do que aquilo de que são dotados. Têm a crença nos Espíritos como um simples fato, mas que nada ou bem pouco lhes modifica as tendências instintivas. Numa palavra: não divisam mais do que um raio de luz, insuficiente a guiá-los e a lhes facultar uma vigorosa aspiração, capaz de lhes sobrepujar as inclinações. Atêm-se mais aos fenômenos do que a moral, que se lhes afigura cediça e monótona. Pedem aos Espíritos que incessantemente os iniciem em novos mistérios, sem procurar saber se já se tornaram dignos de penetrar Os arcanos do Criador. Esses são os espíritas imperfeitos, alguns dos quais ficam a meio caminho ou se afastam de seus irmãos em crença, porque recuam ante a obrigação de se reformarem, ou então guardam as suas simpatias para os que lhes compartilham das fraquezas ou das prevenções. Contudo, a aceitação do princípio da doutrina é um primeiro passo que lhes tornará mais fácil o segundo, noutra existência.
Aquele que pode ser, com razão, qualificado de espírita verdadeiro e sincero, se acha em grau superior de adiantamento moral. O Espírito, que nele domina de modo mais completo a matéria, dá-lhe uma percepção mais clara do futuro; os princípios da Doutrina lhe fazem vibrar fibras que nos outros se conservam inertes. Em suma: é tocado no coração, pelo que inabalável se lhe torna a fé. Um é qual músico que alguns acordes bastam para comover, ao passo que outro apenas ouve sons. Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más. Enquanto um se contenta com o seu horizonte limitado, outro, que apreende alguma coisa de melhor, se esforça por desligar-se dele e sempre o consegue, se tem firme a vontade.
KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. FEB. Capítulo 17.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Em Belo Horizonte


Foto de Chico Xavier
Feira da Semana Espírita da UEM
24 a 30 de Junho
Local: Rua dos Guaranis, 313 - Centro - Belo Horizonte - MG
20% de desconto em toda a livraria, descontos especiais de 30% e 40%. E 50% de desconto em todas as obras de edição da UEM
Palestras
24/06 - Marival Veloso - 09h30 às 10h30
Verso e prosa com Jesus na Mediunidade de Chico Xavier

25/06 - Manoel Alves - 19h00 às 20h00
Mediunidade com Jesus e Kardec

26/06 - Haroldo Dutra Dias - 19h00 às 20h00
O Mundo Espiritual para o Mundo Físico na Obra de André Luiz

27/06 - Célio Allan Kardec - 19h00 às 20h00
Abordagem da Obra "E a Vida Continua..."

28/06 - Afonso Chagas Corrêa - 19h00 às 20h00
Fidelidade a Jesus e Kardec no Trabalho Espírita

29/06 - Magda Luzimar Abreu - 19h00 às 20h00
Evangelho - Roteiro de Iluminação

30/06 - Wesley Caldeira - 09h00 às 12h00
O Legado das Obras e do Exemplo de Chico Xavier

domingo, 17 de junho de 2012

Mensagem mediúnica emocionante



Lembra como era incrível antes?... Nós brincávamos tanto. O tempo parecia não existir e nada nos separava. Meus brinquedos espalhados pelo chão do quarto e vocês brigando/rindo comigo, por causa da bagunça.
Mãe, pode crer, eu era feliz aí com vocês e, se pudesse, ainda estaria morando com você. Só que Deus resolveu me puxar para fora do corpo de uma vez. A princípio relutei e não quis seguir aqueles homens-espíritos-legais que estavam ali na UTI para me ajudar. Mas daí, apareceu meu vô no meio de uma luz bonita e me explicou que meu corpo estava bastante detonado pela doença e que eu não podia mais ficar dentro dele.

O vô me pegou no colo e flutuou comigo por cima da cama onde meu corpo estava. Foi aí que apareceu um túnel de luz à nossa frente e o vô mergulhou dentro dele comigo agarrado. O túnel era radical e eu gostei de seguir dentro dele, pois havia uma "luz viva" nos envolvendo e ela parecia nos acariciar suavemente. A luz era gostosa, mas acabei dormindo no colo do vô.

Quando acordei, estava deitado numa cama super cheirosa e macia. O lençol que me cobria era super branquinho e o mais incrível é que a medida que eu respirava, ele soltava uma luz que me penetrava e me fazia um bem danado. Uma moça vestida de branco entrou no quarto onde eu estava e me disse que eu tinha desencarnado, mas que eu estava bem. Pô, achei isso muito estranho, mas a moça estava falando sério mesmo. Daí, me lembrei do que o vô tinha falado comigo na hora de flutuar e fiquei quieto esperando ele chegar. Quando ele chegou, me deu um abração e logo me botou no seu colo novamente. Nem adiantou dizer para ele que eu já estava grandinho demais para ele me segurar igual criança. Para falar a verdade, eu estava era com vergonha daquela moça me ver no colo dele. Sabe como é, a gente tem de mostrar firmeza... 

O vô me levou para um jardim fantástico que tem aqui e me explicou tudo direitinho. Disse-me que eu tinha desencarnado mesmo e que precisava de um tempinho para me adaptar ao fato. Disse-me também que só era para eu ter vivido mesmo na Terra por onze anos. Fiquei super ligado em tudo o que ele me contava. Daí ele me disse que havia a chance de um rapaz sensitivo sintonizar o pensamento comigo e escrever uma carta por mim e entregar para vocês. 

Segundo o vô, vocês até que aturaram bem a minha partida, mas parece que sobrou uma ponta de dor quando vocês lembram da minha doença. É por isso que ele arranjou esse rapaz sensitivo para eu escrever através da mente dele. E lá vou eu:
 

Estou bem! 

Vocês fizeram tudo o que podiam por mim. É que a minha hora tinha chegado mesmo.
Amo vocês e sei que continuam me amando.
Não me visitem no cemitério, pois não estou lá!
Não incomodem Jesus com preces lamentosas em minha intenção. Pô! Estou vivo e bem, e não quero nenhuma lamentação vindo em minha direção!
Parem de falar com os outros sobre a minha morte; falem sobre a minha vida. Foi uma vida curtinha, mas foi uma vidinha legal!
Quando o vô olha pra mim, sai luz dos olhos dele.
Olhem, tenho que parar de escrever agora. O vô está me dizendo que o rapaz sensitivo ainda tem de escrever um monte de coisas de outros caras que estão aqui com ele. Quando der eu volto!

Um beijo.
 

- Vitinho -

(Texto recebido espiritualmente por Wagner D. Borges; Salvador, 28/01/96)

Temos um presente especial para você!!
Comprando o livro Falando de Vida Após a Morte, de Wagner Borges, você ganha a nova edição da revista Caminho Espiritual.
Wagner Borges, que tem grande vivência e experiência na trilha da espiritualidade, oferece esclarecimento espiritual a respeito das questões que envolvem a perda de alguém e da administração sadia dessa experiência. Nada de pêsames e dramas na abordagem dos temas. Em lugar disso, boas doses de discernimento e consciência, voltados para o raciocínio coerente.
O autor organizou este livro de uma forma que poderá ajudar a clarear as veredas escuras da dor da perda, além de proporcionar excelente aprendizado no contexto do esclarecimento espiritual.
Neste livro apresento desde comunicações espirituais recebidas em diversas ocasiões (assinaladas, ao fim de cada uma, com a autoria espiritual específica), até mensagens que eu mesmo elaborei, além de alguns trechos extraídos de outras fontes.
A abordagem é espiritualista e aberta, sem pender para qualquer doutrina específica, tratando do assunto com aquela espiritualidade simples e clara, típica das consciências livres, que ousam raciocinar por si mesmas.
Acesse nossa livraria virtual e adquira já, com 10% de desconto!!
www.rcespiritismo.com.br
Esta promoção relâmpago ficará no ar até domingo ou enquanto durar nosso estoque.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Coluna do jornal " o tempo" - belo Horizonte


DEUS, IMUTÁVEL QUE É, NÃO FICA MAIOR E MENOS AINDA SE TORNA MENOR  



      Quero deixar claro que nunca tenho interesse de agredir a Igreja Católica e nenhuma das outras igrejas cristãs ou qualquer outra religião. O que acontece é que defendo a teologia espírita, que é bíblica e, automaticamente, ela se opõe às teologias das outras crenças cristãs, que são mais baseadas em dogmas e não tanto na Bíblia, embora muitas pessoas não saibam disso.
       E vamos à Bíblia, que é monoteísta, e para a qual Jesus não é Deus. “No Princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”. (João 1: 1). O princípio aqui é da Terra e não do Universo. Verbo é Fala e a Fala estava com Deus. Ora quem está com Deus é um, e Deus é outro. Jesus é a Fala de Deus para nós, sendo também, pois, figuradamente ou de certo modo, Deus. Mas na verdade, como foi dito acima, a fala de um ser não é bem o ser que fala. O Verbo é a fala (porta-voz) de Deus para nós.
       Jesus disse, simbolicamente: Quem me vê, vê o Pai. (João 10: 30). Parece que os dois são apenas um. Mas será que João assim o entendeu? Não, e aqui concordamos com os teólogos dogmáticos, que também aceitam que o Pai é um e o Filho é outro. O que Jesus quis dizer foi que o Pai e Ele estão em total sintonia.  E o próprio Jesus mostra que Eles são diferentes: “Eu sou a videira, meu Pai o avicultor”. (João 15: 1); “Falo como o Pai me ensinou”. (João 8: 28); “Subo para meu Pai e vosso Pai, para meu Deus e vosso Deus.” (João 20: 17); “O Pai é maior do que eu”. (João 14: 28); De fato, Deus, o Pai, é um e Jesus, o Filho, é outro. E eis o que ensina são Paulo: “Há um só Deus verdadeiro e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem”. (1 Timóteo 2: 5). Jesus e nós somos deuses, mas relativos: “Vós sois deuses”. (João 10: 34). Jesus é o nosso Irmão Maior, pois é o ser humano mais perfeito que já houve na Terra. É nesse sentido que Ele é o Unigênito do Pai. “Por que me chamas bom? Ninguém é bom, senão um só, que é Deus”. (Marcos 10: 18); “Para nós há um só Deus, o Pai”. (1 Coríntios 8: 6); “Um só Deus e Pai de todos”. Efésios 4: 6); “Um só é o vosso Pai”. (Mateus 23: 9). E eis o próprio Jesus se definindo: “Sou Filho de Deus”. (João 10: 36).
      Deus não pode criar outro Deus absoluto igual a Ele, pois esse novo Deus não seria sempiterno, já que seria criatura e teria tido começo, e Deus é incriado. Deus não poderia criar outro Deus inferior a Ele, pois, Deus seria imperfeito, por estar criando um novo Deus inferior. E não poderia criar outro Deus superior a Ele, pois o efeito não pode ser maior do que a causa. Ademais, como já foi dito, nenhum ser, que é criado, pode ser Deus verdadeiro ou absoluto, pois Deus é sempiterno e incriado! Logo Jesus é Deus, sim, mas relativo e não absoluto, pois é criatura e não é sempiterno.
      Ademais, Deus é imutável. E, se Jesus fosse Deus mesmo, além de Deus se ter modificado, ao se tornar homem, esse Deus se teria tornado também inferior, o que seria uma aberração teológica!
       PS:
      1) 5. Deutscher Kongress für Psychomedizin  (5º Congresso Alemão de Medicina da Alma), de 3 a 4 de novembro de 2012, em Bonn-Röttgen.Contato:vital.cruvinel@gmail.com   http://www.kongress-psychomedizin.com/
       2) VI Congresso de Saúde e Espiritismo de Minas Gerais, da   Associação Médico-Espírita de MG (AMENG) e VIII Congresso do Departamento Acadêmico da AME-Brasil. Tema: “Caminhos para a Cura do Corpo e da Alma”, de 31-8 a 2-9-2012, em Belo Horizonte (MG). Inscrições: Patrícia (31) 3332-5293. www.ameng.com.br

Tua Oração

Caro companheiro que ostenta a roupagem da carne, nós te saudamos
em nome de Deus e de Nosso Senhor Jesus Cristo! Pedimos a todos vós que,
por favor, nos desculpeis; se não fizemos o melhor nestas páginas foi por nos
faltar entendimento bastante das profundas dissertações evangélicas, mas o
que escrevemos, escrevemos daquilo que se encontra dentro do nosso
coração.
Temos ânsia de melhoria e queremos trabalhar juntos! As pessoas de boa
vontade que se encontram nas lides espíritas são nossas mãos, nossos pés e
nossa mente; queremos usar suas possibilidades físicas, para que juntos
saudemos à Caridade com grande estima a esta virtude, e que ela possa entrar
na nossa vida, e fazer parte do nosso dia-a-dia e que o amor seja o nosso guia
sempre.
Esta mensagem intitulada Oração é um convite para tal postura. Nós
temos de reconhecer que a prece é a força mais poderosa ao nosso alcance,
ao alcance de todas as criaturas de Deus. Nestas palavras, o título se confunde
com a palavra chave, por tratarem do mesmo assunto.
A súplica é o canal por onde passa o alimento espiritual para todos nós,
encarnados e desencarnados; por isso é bom - e mais ainda, é nobre - que
aprendamos a orar, e esse aprendizado somente se completa com as
experiências, que devem se processar todos os dias. Recolhe-te no teu
aposento, como disse o Mestre, fecha a tua porta e ora ao teu Pai que está nos
céus, em secreto, que Ele, que tudo sabe e tudo vê, te dará as bênçãos do
maior entendimento sobre as leis. É o “pedi e obtereis” do Evangelho. Até
Jesus, Espírito da mais alta freqüência espiritual. Governador do planeta Terra,
necessitou de orar. E nós, que estamos ainda com profundas raízes nas
trevas? Quem ora está nos caminhos do melhor entendimento e quem sabe
orar já sente no coração a influência da libertação espiritual.
O mundo espiritual não está alheio ao movimento do culto do Evangelho
no lar; existem falanges e mais falanges de Espíritos elevados, por ordem de
Jesus, na incentivação do estudo do Evangelho em casa, e não pode existir
culto deste tipo sem Oração; é nele que podes com mais acerto compreender e
exercitar a prece com maior amplitude. Tua Casa precisa de Oração; por ela
atuarão os Espíritos elevados, capazes de colocar nos corações um segredo
que depois saberás, e quando uma família se reúne entre as quatro paredes
com as intenções de se aproximar cada vez mais do Cristo, uma luz poderosa
se fará presente e dissipará todas as trevas, se por acaso elas existirem no
lugar em que se reúnem.
Acabamos de escrever este livro com muita alegria, pedindo a Deus e a
Jesus que ele possa cumprir a missão que ideamos, levando a todos os lares a
paz e a compreensão, o amor a Deus sobre todas as coisas, ao Cristo todos os
dias, e ao próximo como a nós mesmos. Meu filho, queremos sentir a alegria
de te ver em teu lar, lendo e comentando o Evangelho, e se possível, este
simples livro que escrevemos com o coração, desejando que tu e a tua casa se
livrem da ignorância, na prática da caridade e nas bênçãos do amor,
A tua família, é pois, uma célula da família universal. Cuida dela de forma
inteligente, cumprindo assim a tua missão como o Senhor determinou. E nunca
te esqueças da Oração, que sempre te ilumina e à tua casa.
 —

Os extraterrestres segundo Chico Xavier e suas experiências de vida.


Há muito que tencionava relatar este caso de nossas conversas com o Chico, e que não vi ninguém mais registrar até agora. Em nossas conversas nas madrugadas em sua casa, muitas vezes eu perguntava ao Chico sobre o Universo, as galáxias e suas nebulosas e estrelas com os planetas que se movimentam em seu derredor. Ele me falava com muita vivacidade sobre o assunto, inclusive sobre a existência de humanidades muito mais avançadas que a nossa, espalhadas pelo sem fim dos Multiversos.
Chico Xavier inclusive nos contou que já havia estado com visitantes de outros orbes, e ao expressar a ele a minha vontade de também um dia vir a conhecê-los ele foi enfático :
"Você deve ter muito cuidado Geraldinho, porque embora a maioria das civilizações que já desvendaram os segredos das viagens interplanetárias serem de grande evolução espiritual e votadas ao Bem e à Fraternidade Geral, há também aqueles outros que somente se desenvolveram no campo da técnica, enregelando sentimentos mais nobres no coração. Representantes dessa outra turma também têm nos visitado mas com objetivos escusos. Para eles nós somos tão atrasados que eles não prestam nenhuma atenção às nossas necessidades e sentimentos. São eles que raptam pessoas e animais para experiências horrorosas em suas naves. Quanto a esta turma nós devemos ter muito cuidado. Uma vez eu estava indo de Uberaba a Franca para visitar a irmã de Vivaldo, Eliana, que havia passado por uma cirurgia no coração naquela cidade. Dr. Elias Barbosa foi dirigindo o automóvel na companhia de Vivaldo e eu, que fiquei no banco de trás. Pois bem, íamos lá pelas 3 horas da manhã, na madrugada, para evitar o trânsito, e a meio caminho uma luz meio baça, na cor alaranjada envolveu o automóvel e passou a segui-lo. Dr. Elias achou por bem encostar o carro e esperamos os três para ver o que ia acontecer. Intuitivamente comecei a orar, pedindo aos amigos que me acompanhassem na prece. O espírito de Emmanuel se fez presente e nos solicitou redobrada vigilância. A nave apareceu então no pasto ao lado iluminando toda a natureza em torno com a sua luz alaranjada e baça. Ela pairou no ar sem tocar o solo e do meio dela saiu uma luz mais clara ainda de onde desceu uma entidade alienigena. Ela tinha uma aparência humanóide, mas muito mais alta com cerca de 3 metros de altura, esquelética.

 Senti um medo instintivo e roguei ao Senhor que nos afastasse daquele cálice de amarguras, que pressentia com o auxílio de Emmanuel. Subitamente a entidade parou e desistiu de nós, retornando para a sua nave. Depois o veículo interplanetário elevou-se do solo e eu vi perfeitamente uma vaca sendo levada até o seu interior como se levitasse até lá. Em seguida a nave desapareceu de nossas vistas com velocidade espantosa.
O espírito de Emmanuel me revelou então que estes irmãos infelizmente não eram vinculados ao Bem e ao Amor, eram sociedades que pilhavam planetas em busca de experiências genéticas estranhas. De vez em quando abduzem homens e animais para suas aventuras laboratoriais. Segundo Emmanuel somente não fazem mais porque Nosso Senhor Jesus estabeleceu normas e guardiães para proteger a Humanidade Terrestre ainda tão ignorante quanto às realidades siderais, em sua infância planetária.
Então meu filho, se você avistar alguma entidade com as características que eu lhe dei, 3 metros de altura e corpo humanóide esquelético, corra, Geraldinho... Pernas pra que te quero !!! - E riu-se o Chico com seu modo característico.

Não contive a pergunta : Mas eles são minoria não é Chico ? E como serão os alienígenas bonzinhos ?
Ao que ele me respondeu : Ah! São magníficos. Os que eu conheci são criaturas de muito baixa estatura, de cerca de 1 metro apenas. São grandes inteligências e por isto mesmo têm uma cabeça de tamanho avantajado em relação à nossa, com grandes olhos amendoados e meigos, capazes de divisar todas as faixas de vida nos diversos planos de matéria física e espiritual. Não possuem narizes, orelhas e sua boca é apenas um pequeno orifício. Seus sistemas fisiológicos são muito diferentes dos nossos e já não possuem intestinos. Toda a sua alimentação é apenas líquida. São de uma bondade extraordinária e protegem a civilização terrena assumindo um compromisso com Jesus de nos guiar para o Bem. Um dia, Geraldinho, que não vai longe, eles terão permissão para se apresentarem a nós à luz do dia, trazendo-nos avanços tecnológicos, médicos e científico nunca dantes imaginados.
Fiquei imaginando como o Universo deve ser vasto, e o quanto o Chico sabia sobre ele e ficava calado!