Total de visualizações de página

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

LINDO VÍDEO

video

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Corpo e Alma

Corpo e alma é uma das muitas chaves para a saúde e o bem estar.




Corpo, mente e alma devem trabalhar em sintonia quando se pretende obter saúde e bem estar.



Ao profissional cabe saber identificar qual destas três áreas precisa de atenção e de tratamento por forma a que se consigam resultados.



Quando uma destas áreas está com problemas, todas as outras disfuncionam e passam a ter um funcionamento anormal com os inúmeros problemas que daí advêm.



Pela minha experiência as alterações a nível da alma são das mais gravosas e importantes para a saúde quer do corpo quer da mente.



Muitos dos problemas existentes a nível mental e a nível físico devem-se a problemas e disfunções existentes na alma.



Uma vez que a alma não se vê, não se estuda e muitas das vezes nem se acredita que ela possa existir, ela tem todas as condições para afectar a pessoa a todos os níveis.



A somar a esta situação, os profissionais e muitos investigadores não estudam este assunto e como tal não sabem dar respostas nem conseguem entender estes assuntos.



E quando o profissional não sabe nem consegue identificar qual a origem de determinado problema, ele fica incapaz de o corrigir ou de poder encaminhar a pessoa para quem o saiba fazer.



Desta forma a pessoa acaba por sofrer muitas vezes durante toda a vida por problemas que poderiam ser facilmente resolvidos se os diversos profissionais soubessem mais acerca destes e de outros assuntos.



Muitos dos problemas que se dizem sem cura podem ter a ver apenas com a incapacidade dos diversos profissionais em saberem identificarem qual a origem e qual a solução de tais problemas.



Várias soluções existem para os mais diversos problemas.



A falha está nos diversos profissionais que não dispõem de informações nem conhecimentos acerca de como determinar qual a área que está afectada nem de como a corrigir.



Felizmente são cada vez mais os diversos profissionais que vão aprendendo coisas "novas" (já bastante antigas) e que vão começando a fazer uma grande diferença em termos de resultados e de soluções.



Há que saber determinar exactamente de onde vem o problema; se ele vem do corpo, da mente ou da alma, assim como saber exactamente o que fazer e aplicar em cada situação por forma a conseguir resultados.



Existem outras abordagens e outras situações que existem e que precisam de ser também entendidas e trabalhadas por forma a que se consigam bons resultados. Mas dessas falarei quando tiver mais dados.







José Carlos Santiago + 351.93.459.1780 (Rede TMN). Se não atender, deixe mensagem. Obrigado

Cura Quântica

A Cura Quântica começa hoje a ser uma realidade no mundo.


Ela baseia-se na Física Quântica e em princípios científicos com mais de 100 anos.

O que a Física Quântica nos diz é que a matéria é energia e que a energia forma e cria a matéria.

O mesmo princípio foi dado por Albert Einstain na sua famosa fórmula

E = M.C2.
Esta informação tem no entanto milhares de anos pois as civilizações orientais sempre falaram de que tudo no universo é energia.

A Cura Quântica usa a energia para alterar a matéria e conseguir resultados visíveis na matéria.

Ela vem na sequência do Reiki, da Cura Prânica, do Chi, Prâna, etc. e dos conhecimentos e informações da Física Quântica.

Como tudo é energia, facilmente se consegue compreender que basta alterar essa energia para se verem resultados no físico.

Na Cura Quântica o Curador e Facilitador usa técnicas para elevar a sua energia a níveis muito superiores ao do Reiki e de todas as outras abordagens energéticas e dessa forma consegue fazer alterações energéticas no corpo dos seus pacientes conseguindo dessa forma que as curas ocorram numa fracção do tempo que ocorreriam nas abordagens tradicionais.

Com esta abordagem as mudanças no corpo da pessoa/paciente acontecem com uma grande rapidez e as curas e resoluções de problemas de saúde tornam-se possíveis num espaço de tempo muito curto.

Esta é uma terapia também chamada Terapia Tridimensional uma vez que não visa apenas corrigir o que existe à nossa frente mas também tudo o que se encontra por detrás.

Ela corrige não só em altura e largura mas também em profundidade ou seja corrige as três dimensões do corpo.

A Terapia Tridimensional ou Cura Quântica vai assim muito mais longe visando a correcção do corpo e do que está por detrás das suas disfunções e problemas.

Qualquer problema de saúde é antes de mais uma alteração energética.

A Cura Quântica permite corrigir essas alterações energéticas indo dessa forma à raiz dos problemas e não apenas aos seus sintomas.

Eu venho a aplicar a Cura Quântica desde o início de 2005 e na verdade os seus resultados ultrapassam tudo aquilo que eu alguma vez julguei ser possível.



José Carlos Santiago + 351.93.459.1780 (Rede TMN). Se não atender, deixe mensagem. Obrigado

Cura Espiritual

A cura espiritual é uma solução muito antiga e desde sempre empregue pela humanidade.



Actualmente estamos saindo do obscurantismo que tem mantido a humanidade presa a mitos e a falsas crenças muito à semelhança da Idade Média.


A cura espiritual sempre foi usada para libertar as pessoas dos seus problemas e melhorar a sua saúde.

Jesus foi o maior curador de todos os tempos e muito lhe devemos pois foi graças a ele que muitos mestres, santos, apóstolos e discípulos surgiram e lhe seguiram nas curas.

As curas sempre foram importantes uma vez que para além da cura propriamente dita, elas mostravam que existia algo muito mais forte e poderoso ao alcance dos homens.

Infelizmente os curadores, santos etc. muitas das vezes só viam o seu trabalho reconhecido após a sua morte ou então quando faziam um milagre que não podia ser negado.

A ciência, ou melhor muitos dos homens da ciência viam nestas curas e nestas pessoas uma ameaça ao seu poder e à sua verdade.

Desta forma forma muitas vezes denegriam estas pessoas e o seu trabalho tentando manter a todo o custo o resto da população na ignorância e no obscurantismo.

A Idade Média foi um bom exemplo onde todos aqueles que eram uma ameaça aos poderes instituídos, eram pura e simplesmente queimados na fogueira.

Nos nossos dias as verdades que estes "santos" produzem e falam ainda são vistas como uma ameaça ao poder e às "verdades" de muitas pessoas que se julgam donas da verdade.

Felizmente que a era da ignorância e do obscurantismo está a acabar e mais cedo ou mais tarde todas as pessoas poderão beneficiar do poder de Deus e conseguir fazer as suas curas e encontrar a paz e a felicidade a que tem direito.

Nos nossos dias muitas são as pessoas que estão a usar a cura espiritual e a energia espiritual para produzirem mudanças nas suas vidas e nas vidas das pessoas que lhe são próximas.
Para este efeito não se requer crenças nem estudos. Tudo o que é preciso é acreditar e fazer.

Todos nós fomos feitos à semelhança de Deus e como tal todos temos o poder de Deus dentro de nós.
Se o usamos ou não isso é um problema nosso e não dele.
Se o usamos para o bem ou para o mal, isso é um problema nosso e não dele.
Todos nós somos filhos de Deus, logo somos sangue do seu sangue e carne da sua carne.

Como filhos de Deus herdámos os mesmos poderes que ele possui e compete-nos usá-los para fazermos algo de bom e algo que seja digno dele.

Tudo o que ele quer e deseja é aquilo que qualquer pai ou mãe deseja: que os seus filhos estejam bem e que sejam felizes.

E isto compete-nos a nós fazer e conseguir.
O poder para mudarmos, está dentro de nós e não numa crença que alguém teima em divulgar.
Está na hora de cada um de nós despertar para o poder que tem dentro de si e fazer algo de bom com ele.
Para além de ser isso que Deus quer e deseja, é também isso que os nossos pais querem e desejam.
E é também isso que os nossos antepassados querem e desejam.
Todos trabalharam, lutaram e sofreram para que hoje estivéssemos aqui e a melhor maneira de lhes mostrarmos que o seu trabalho e que o seu esforço não foi em vão é fazermos algo de bom em sua memória.
Nada dá mais alegria a um pai ou a uma mãe do que ver que o seu trabalho, lutas e sofrimentos resultaram em algo de bom.
E nós como filhos devemos agradecer aquilo que eles nos deram e fazer algo de bom para que eles tenham orgulho em nós.


José Carlos Santiago +(351) 93.459.1780 (Rede TMN)

Tratamento Espiritual à Distância

Hoje estamos colhendo o que plantamos nesta ou em outras experiências reencarnatórias, contudo, o sabor desta colheita não precisa ser doloroso. Observe que o veneno da serpente que mata também pode curar, quando transformado em soro. A compreensão das Leis Divinas e o auto-aprimoramento modificam a forma como encaramos o mundo. Nosso objetivo é ampliar a visão das pessoas que buscam a assistência dos espíritos, tornando-as mais receptivas ao auxílio da espiritualidade superior e capacitando-as a reverter a situação de desarmonia em que se encontram.




Como informa a espiritualidade as doenças que invadem nosso corpo são acúmulos de energias de baixa vibração, que emitimos ou com as quais sintonizamos através da desarmonia para com as Leis Divinas. Quando a dor e o sofrimento aparecem é porque o equilíbrio precisa ser refeito. As dificuldades que vivemos são etapas necessárias para semear o amor em nosso coração. O Tratamento Espiritual a Distância visa reencontrar a Harmonia e acabar com a fonte do desequilíbrio.



Lembremo-nos de que Deus não é vingativo e nem carrasco, ao contrário, é pai, professor, sábio e misericordioso para com todos nós. Podemos alcançar suas bênçãos através do pensamento positivo, das modificações interiores e da força de vontade.



O Tratamento Espiritual a Distância é gratuito e para ser atendido você precisa apenas solicitar informações através do nosso site. Para isto, faça o cadastramento (se já não o fez) e clique aqui para solicitar o atendimento e nós enviaremos as orientações a serem seguidas, enquanto a espiritualidade faz a sua parte, conforme a vontade de Deus, suas necessidades e merecimento.



Lembramos que os procedimentos relacionados com o Tratamento Espiritual a Distância não tem nenhuma relação com a Medicina, Curas Médicas ou quaisquer práticas da Medicina convencional. Os procedimentos relacionados com o Tratamento Espiritual a Distância se referem exclusivamente a cura espiritual em sentido Holístico ou Divino onde o bem-estar energético e espiritual determinam as condições de harmonização do paciente. Não recomendamos a interrupção de nenhum tipo de tratamento médico.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

DICA DA FEB

A Biblioteca de Obras Raras, mantida pela Federação Espírita Brasileira (FEB), inclui obras do período pré-espirítico, isto é, das primeiras manifestações espíritas em diversas localidades do mundo, o Pentateuco Kardequiano em seu original, além das obras editadas pela FEB ou publicadas sob os seus auspícios. Podem ser vistos na Biblioteca a Galeria dos Presidentes da Federação por toda sua trajetória, os mobiliários utilizados por Bezerra de Menezes, no período de 1889 e 1895-1900, e por Wantuil de Freitas, no período de 1943-1970.




A coleção possui aproximadamente 20.000 itens, em vários tipos de suportes: livros, folhetos, periódicos, artigos, fotografia, além de publicações em vários idiomas: português, francês, espanhol, inglês, esperanto, japonês. Nesse primeiro momento estão referenciados em torno de 6000 obras, e em alguns casos já é possível a visualização dos resumos e/ou o documento na íntegra. Progressivamente, estaremos aperfeiçoando a oferta digital com a formação de um portal especializado em espiritismo e assuntos correlatos, com o objetivo de preservação e acesso aos conteúdos de nossa coleção.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

O Filme dos Espíritos - Trailer Oficial - HD


ESTRÉIA DIA 7 DE OUTUBRO

Oração para a libertação da dependência das drogas

Oração para a libertação da dependência das drogas



Senhor, nós te entregamos a causa que levou (dizer o nome de quem usa a droga) a usar drogas, toda carência, toda rejeição, toda falta de amor, toda amargura e todo complexo. Pai, nós cremos no poder do Teu toque divino, por isso livra-o do mal e das más companhias. Abençoe os amigos, a todos os familiares e a todos que se aproximem dele. Mãe, cubra-o com seu manto protetor.



Amém.

PRECE PELOS VÍCIOS

Senhor, venho humildemente hoje a Tua presença rogar proteção e amparo, pelos vícios que trago comigo e dos quais não consigo me libertar...

Sei que são ruinosos aos meu corpo e ao meu espírito mas não me sinto forte o suficiente para abandoná-los, encontrando-me vazio e entendiado sempre que distante deles.

Dos vícios abaixo, por mais aceitos socialmente e por mais incentivados, ajuda-me a abandonar:

O vívio do cigarro, ajuda-me a abandonar!

O vício da bebida alcólica, ajuda-me a abandonar!

O vício da alimentação excessiva, ajuda-me a abandonar!

O vício da infidelidade, ajuda-me a abandonar!

O vício da prática sexual compulsiva, ajuda-me a abandonar!

O vício da sensualidade vulgar, ajuda-me a abandonar!

O vício da palavra impensada, ajuda-me a abandonar!

O vício da maledicência, ajuda-me a abandonar!

O vício da inveja, ajuda-me a abandonar!

O vício da falsidade, ajuda-me a abandonar!

O vício do ressentimento, ajuda-me a abandonar!

O vício da arrogância, ajuda-me a abandonar!

O vício do orgulho tolo, ajuda-me a abandonar!

O vício da preguiça, ajuda-me a abandonar!

O vício da má vontade, ajuda-me a abandonar!

O vício da omissão, ajuda-me a abandonar!

Todos os vícios, meu Deus, ajuda-me a abandonar!

Os males da Terra existem porque nossa resistência moral ainda é frágil e pouco ou nada fazemos para que ela se torne barreira intransponível a tudo que possa causar prejuizo a nós ou ao nosso próximo.

As doenças, a má qualidade de vida, os lares destruídos, as esperanças juvenis minadas, a prostituição, as drogas, os desvios de caráter, as perversões, as aversões inextinguíveis, as guerras, as tramas sórdidas, a morte, e o todo o mal, em si, são frutos de pequenos vícios que se tornaram grandes ameaças pela força de adesão de imensa parcela humana à sua nefasta influência!...

Ajuda-me, Senhor, a enxergar o mal que os vícios produzem em meu espírito, destinado por Ti à glória das Alturas, e concede-me força para extinguí-los em mim. Que minha presença seja notícia de saúde física, mental e moral nos locais em que transito, e incentivo pessoal a que meus irmãos de jornada passem igualmente a amar-se mais, cultivando o que é bom e belo à vida que desfrutam, e deixando para trás todo e qualquer hábito vicioso que possa ocasionar o seu atraso e a sua ruína.



Assim seja!







Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/toxicodependencia/prece-pelos-vicios/?PHPSESSID=0f67bb1032d8f877832bd30ba1be8065#ixzz1Yig55Mhv

VAI DESISTIR ?

* O General Douglas MacArthur foi recusado na Academia Militar de West Point, não uma vez, mas duas. Quando tentou pela terceira vez, foi aceito e marchou para os livros de história.







* O superstar do basquete, Michael Jordan, foi cortado do time de basquete da escola.






* Winston Churchill repetiu a sexta série. Veio a ser primeiro ministro da Inglaterra somente aos 62 anos de idade, depois de uma vida de perdas e recomeços.


Sua maior contribuição aconteceu quando já era um “cidadão idoso”.






* Albert Einstein não sabia falar até os 4 anos de idade e só aprendeu a ler aos 7.


Sua professora o qualificou como “mentalmente lerdo, não-sociável e sempre perdido em devaneios tolos”. Foi expulso da escola e não foi admitido na Escola Politécnica de Zurique.






* Em 1944, Emmeline Snively, diretora da agência de modelos Blue Book Modeling, disse à candidata Norman Jean Baker ( Marilyn Monroe) : “É melhor você fazer um curso de secretariado, ou arrumar um marido. “






* Ao recusar um grupo de rock inglês chamado The Beatles, um executivo da Decca Recording Company disse : “Não gostamos do som. Esses grupos de guitarra já eram.”






* Quando Alexander Graham Bell inventou o telefone, em 1876, não tocou o coração de financiadores com o aparelho. O Presidente Rutheford Hayes disse: “É uma invenção extraordinária, mas quem vai querer usar isso ?”






* Thomas Edison fez duas mil experiências para conseguir inventar a lâmpada. Um jovem repórter perguntou o que ele achava de tantos fracassos. Edison respondeu : “Não fracassei nenhuma vez. Inventei a lâmpada. Acontece que foi um processo de 2.000 passos.”






* Aos 46 anos, após anos de perda progressiva da audição, o compositor alemão Ludwig van Beethoven ficou completamente surdo. No entanto, compôs boa parte de sua obra, incluindo três sinfonias, em seus últimos anos.






Por isso não devemos achar nunca que NOSSO TEMPO acabou . Enquanto estivermos aqui, há algo para aprendermos e, muito possivelmente, alguém para aprender conosco também.





VAI DESISTIR?

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Garoto sobrevive após parada cardíaca de 40 minutos

Para reavivá-la, médico abriu o peito da criança e realizou massagem com as mãos diretamente no coração




CRESCER



A história do inglês Joshua Baker, de apenas 5 anos de idade, pode ser considerada quase milagre. O menino teve a vida salva por um médico após seu coração ficar 40 minutos sem bater. Para trazê-lo de volta a vida, o cardiologista não hesitou em abrir o peito do garoto e com as mãos, realizou uma massagem cardíaca diretamente em seu coração.



“Não podemos expressar o quanto somos gratos ao cirurgião que salvou a vida do nosso filho” afirmou a mãe do menino, Rebecca Baker, em entrevista ao jornal britânico Daily Mail.



Joshua foi diagnosticado com uma complexa cardiopatia desde o nascimento e de lá para cá passou por mais de dez procedimentos cirúrgicos para corrigir o mau funcionamento do õrgão. “Muitas vezes pensamos que iríamos perdê-lo. Ver seu coração ficar sem bater foi a coisa mais apavorante que nos aconteceu na vida”, relatou a mãe.



Após o salvamento, os médicos alertaram aos pais que Joshua provavelmente teria algum tipo de dano cerebral, devido à falta de oxigenação pela qual passou seu cérebro. Mas alguns meses após o incidente, o garoto já apresentava melhoras significativas e nenhuma sequela mental foi diagnosticada.



Hoje, ele já brinca com as irmãs e joga futebol com o pai. “Toda a família está agradecida por ter Joshua de volta. É incrível vê-lo correr e brincar por ai. Eu me sinto muito sortuda!” comemora a mãe.



Notícia publicada na Revista Crescer, em julho de 2011.

AJUDA DOS CÉUS

Quantas vezes você já olhou um casal, passeando de mãos dadas ou abraçado e se perguntou como eles podem se amar, sendo tão diferentes?

Quantas vezes já pensou em como aquela moça tão elegante pode amar aquele homem com ar tão desengonçado?

Ou como aquele hom! em tão bonito, parecendo um deus da beleza pode amar aquela mulher tão destituída de atrativos?

Toda vez que essas idéias nos atravessam a mente, é que estamos julgando o amor pelo exterior.

Mas, já dizia o escritor de O pequeno príncipe: "O essencial é invisível para os olhos."

A propósito, conta-se que o avô do conhecido compositor alemão Mendelssohn, estava muito longe de ser bonito.

Moses era baixo e tinha uma corcunda grotesca.

Um dia, visitando um comerciante na cidade de Hamburgo, conheceu a sua linda filha. E logo se apaixonou perdidamente por ela.

Entretanto, a moça, ao vê-lo, logo o repeliu. Aquela aparência disforme quase a enojou.

Na hora de partir, Moses se encheu de coragem e subiu as escadas. Dirigiu-se ao quarto da moça para lhe falar.

Desejava ter sua última oportunidade de falar com ela.

A jovem era uma visão de beleza e Moses ficou entristecido porque ela se recusava até mesmo a olhar para ele.

Timidamente, ele lhe dirigiu uma pergunta muito especial:

"Você acredita em casamentos arranjados no céu?"

Com os olhos pregados no chão, ela respond! eu: "Acredito!"

"Também acredito." - afirmou Moses - "Sabe, acredito que no céu, quando um menino vai se preparar para nascer, Deus lhe anuncia a menina com quem vai se casar.

Pois quando eu me preparava para nascer, Deus me mostrou minha futura noiva.

Ela era muito bonita e o bom Deus me disse: ‘Sua mulher será bela, contudo terá uma corcova.'

Imediatamente, eu s! upliquei: ‘Senhor, uma mulher com uma corcova será uma tragédia. Por favor, permita que eu seja encurvado e que ela seja perfeita.'"

Nesse momento, a jovem, emocionada, olhou diretamente nos olhos de Moses Mendelssohn.

Aquela era a mais extraordinária declaração de amor que ela jamais imaginara receber.

Lentamente, estendeu a mão para ele e o acolheu no fundo de seu coração.

Casou-se com ele e foi u! ma esposa devotada.



O amor verdadeiro tem lentes especiais para ver o outro. Vê, além da aparência física, a essência. E assim, ama o que é real.

A aparência física pode se modificar a qualquer tempo. A beleza exterior pode vir a sofrer muitos acidentes e se modificar, repentinamente.

Quem valoriza o interior do outro é como um hábil especialista em diamantes que olha a pedra bruta e consegue descobrir o brilho da preciosidade.

É como o artista que acaricia o mármore, percebendo a imagem da beleza que ele encerra em sua intimidade.

Este amor atravessa os portões desta vida e se eterniza no tempo, tendo capacidade de acompanhar o outro em muitas experiências reencarnatórias.

Este é o verdadeiro amor.

* * *No amor, o homem sublima os sentimentos e marcha no rumo da felicidade.

Na perfeita identificação das almas, o amor produz a bênção da felicidade em regime de paz.

Redação do Momento Espírita com base no cap. Amor verdadeiro,

de Barry e Joyce Vissell, do livro Histórias para aquecer o coração

– Edição de ouro, ed. Sextante e verbete Amor, do livro

Repositório de sabedoria, v. 1, do Espírito Joanna de Ângelis,

psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.

A ARTE DE ENVELHECER

Conta um jovem universitário que, no seu primeiro dia de aula, o professor se apresentou e pediu que todos procurassem conhecer alguém que não conheciam ainda.

Ele ficou de pé e olhou ao redor, quando uma mão lhe tocou suavemente no ombro. Deu meia volta e viu uma velhinha enrugada, cujo sorriso lhe iluminava todo seu ser.

Ela lhe falou sorrindo: “Oi, gato. Meu nome &eac! ute; Rose. Tenho oitenta e sete anos. Posso lhe dar um abraço?”

O moço riu e respondeu com entusiasmo: “Claro que pode!”

Ela lhe deu um abraço muito forte.

“Por que a senhora está na Universidade, numa idade tão jovem, tão inocente?” perguntou-lhe o rapaz.

Rindo, ela respondeu: “Estou aqui para encontrar um marido rico, casar-me, ter uns dois filhos, e logo me aposentar e viajar.&rdq! uo;

“Eu falo sério”, disse seu jovem colega. “Quero saber o que a motiva a enfrentar esse desafio na sua idade.”

Rose respondeu gentil: “Sempre sonhei em ter uma educação universitária e agora vou ter.”

Depois da aula, ambos caminharam juntos, por longo tempo, e se tornaram bons amigos.

Todos os dias, durante os três meses seguintes, saíam juntos da classe e conversavam sem parar.

O jovem universitário estava fascinado em escutar aquela "máquina do tempo". Ela compartilhava com ele sua sabedoria e experiência.

Durante o curso, Rose se fez muito popular na Universidade. Fazia amizades onde quer que fosse.

Gostava de se vestir bem e se alegrava com a atenção que recebia dos outros estudantes.

Ao término do último semestre, Rose foi convidada para falar na festa de confraternização. Naquele dia, ela deu a todos uma lição inesquecível.

Logo que a apresentaram, ela subiu ao palco e come&c! cedil;ou a pronunciar o discurso que havia preparado de antemão. Leu as primeiras frases e derrubou os cartões onde estavam seus apontamentos.

Frustrada e um pouco envergonhada, se inclinou sobre o microfone e disse simplesmente:

”Desculpem que esteja tão nervosa. Não vou poder voltar a colocar meu discurso em ordem. Assim, permitam-me simplesmente dizer-lhes o que sei.”

Enquanto todos riam, ela limpou a garganta e começou:

“Não deixamos de brincar porque estamos velhos; ficamos velhos porq! ue deixamos de brincar.

Há alguns segredos para manter-se jovem, ser feliz e triunfar.

Temos que rir e encontrar o bom humor todos os dias.

Temos que ter um ideal. Quando perdemos de vista nosso ideal, começamos a morrer.

Há tantas pessoas caminhando por aí, que estão mortas, e nem sequer sabem!

Há uma grande diferença entre estar velho e amadurecer. Se vocês t! êm dezenove anos e ficam um ano inteiro sem fazer nada produtivo,! se converterão em pessoas de vinte anos.

Se eu tenho oitenta e sete anos e fico por um ano sem fazer nada de útil, completarei oitenta e oito anos.

Todos podemos envelhecer. Não requer talento nem habilidade para isso. O importante é amadurecer, encontrando sempre a oportunidade na mudança.

Não me arrependo de nada. Nós, de mais idade, geralmente não nos arrependemos do que fizemos, mas do que não fizemos.

E, por fim, os únicos que temem a morte são ! os que têm remorso.”

Terminou seu discurso cantando “A rosa”. Pediu a todos que estudassem a letra da canção e a colocassem em prática em suas vidas.

Rose terminou seus estudos e, uma semana depois da formatura, morreu tranqüilamente, enquanto dormia.

Mais de dois mil estudantes universitários assistiram as honras fúnebres, para render tributo à maravilhosa mulher que lhes ensinou, com seu exemplo, que nunca é demasiado tarde para chegar a ser tudo o que se pode e deve ser.



! * * *

O importante não é acumular muitos anos de vida, mas adquirir sabedoria em todos os momentos que os anos nos oferecem.

Afinal, envelhecer é obrigatório, amadurecer é opcional.

Pense nisso!



Texto da Redação do Momento Espírita, baseado em história de autor ignorado.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

BOM DIA

NOTAS DE CADA DIA


Pelo Espírito Emmanuel. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

Livro Atenção. Lição nº 02. Página 19.



Convence-te de que não existem males eternos, toda dor chega e passa.

O dia é sempre novo para quem trabalha.

Não conserves ressentimentos.

A desilusão de agora será bênção depois.

A dificuldade é uma escola.

Servir é um privilégio.

Auxilia para o bem.

Nada reclames.

Gritos não valem.

Queixas não apagam dívidas.

Tristeza inerte é sinônimo de tempo perdido.

A paciência operosa realiza prodígios.

Fala acendendo a luz da esperança.

Esqueça as ofensas, quaisquer que sejam.

Agressores são doentes a serem medicados pelos recursos de Deus.

Não menosprezes a crítica.

Valoriza os amigos.

Respeita os adversários

Resguarda a consciência tranqüila.

Exerce a beneficência por dever.

Hoje auxiliamos, amanhã seremos os necessitados de auxilio.

Não cobres tributos de gratidão.

Agradeçamos as bênçãos que Deus nos concede gratuitamente.

Prestigia a existência que a Sabedoria Divina te concedeu.

Muito importante recordar que, na morte, todos encontramos, antes de tudo, aquilo que fizemos da própria vida.

Olvida contrariedades, trabalhando e servindo sempre.

E, à frente de quaisquer obstáculos ou de quaisquer desenganos, não te esqueças de que o tempo de hoje continuará no amanhã.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Mensagens de luz

O BEM

Dedique-se ao bem de todos, estude incansavelmente e creia na vitória do
Evangelho na Terra, hoje ou amanhã. Assim fazendo, todo mal que lhe
aconteça não produzirá eco, porquanto, ligando-se a Jesus, você será uma
perene mensagem do amor Dele ao mundo inteiro.

Marco Prisco (espírito) / psicografia de Divaldo Franco

Livro: Ementário Espírita


MENTE SÃ


Não vitalize, mediante a fixação mental, as idéias negativas. O “mal” não
consiste em ser visitado pelo pensamento mau, mas em dar-lhe acolhida no
plano da mente.

Você é o que reflete no quotidiano.

Seu Espírito é autor dos seus atos.

A conduta sadia é resultado dos pensamentos superiores e da reflexão moral.

Conquiste equilíbrio pessoal, adquirindo hábitos nobres.

Você tem o direito de seguir qualquer caminho em seu roteiro. O arbítrio na
escolha representa benção inalienável para o espírito; todavia, cuide de
examinar o caminho para que ele não o conduza à infelicidade e ao
desespero.

Marco Prisco (espírito) / psicografia de Divaldo Franco

Livro: Ementário Espírita


SATISAFÇÃO INTERIOR


A crença honesta propicia equilíbiro, fomentando a harmonia, de que se
nutre a criatura no rumo da sua evolução.

Joanna de Ângelis (espírito) / psicografia de Divaldo Franco.

Livro: Otimismo


FELICIDADE PESSOAL

O problema da felicidade pessoal nunca

será resolvido pela fuga ao processo reparador.

Valorize os minutos. Tudo volta, com exceção da hora perdida.


Emmanuel (espírito) / psicografia de Chico Xavier

Livro: Caminho, Verdade e Vida.



O ESFORÇO PESSOAL



Em vertigem tormentosa, o prazer aniquila o maior número de criaturas no
mundo.

Muitos que tombam nos resvaladouros dos caminhos, sob o impacto de
ventanias impetuosas, esfacelam-se, traídos pela ilusão do gozo de mentira.


Quem se abandona ao sabor das emoções mais fortes não tem sensibilidade
para perceber as esplendentes manifestações da Boa Nova no mundo.

Multidões aflitas desejam consolações espirituais no Evangelho, através das
Organizações Religiosas a que se filiaram. No entanto, permanecem distantes
do esforço de sintonização com os ensinamentos emanados da suave mensagem
de Jesus.

Não arrebentam as algemas dos compromissos negativos. Não “matam” as
construções velhas onde acomodam a vontade. Não realizam atividades
renovadoras. Não estudam com afinco. Não servem com abnegação.



Paz Espiritual é Luz que se distende para todos. Mas quem desejar a bênção
misericordiosa do Cristo, não esqueça de colocar os pés no rumo, lembrando
qual o caminho percorrido por Ele quando jornadeou pelas dificuldades do
mundo.

Marco Prisco (espírito) / psicografia de Divaldo Franco

Livro: Ementário Espírita


PENSAMENTO E PRECE

Depois do amor, a retidão é o caminho mais fácil para a felicidade. A
retidão, porém, é serva do pensamento.

Para que o pensamento o ajude nas suas ações, é indispensável exercitá-lo
na oração. A prece é para o homem o que o telhado representa para a casa.
Se a mente tem o hábito de orar, defende-se do mal como o teto perfeito
defende a casa da tormenta.

A educação cria hábitos. Os costumes resultam da elaboração desses hábitos
pelo pensamento.


SERVIR


O cristianismo se divulgou pelo mundo graças às dádivas de amor e coragem
com que os primeiros servidores suportaram o cerco das perseguições no
passado.

Se você ainda não se integrou na Seara de Jesus, arrebente os elos da
inutilidade em que se detém e, parcela a parcela, em seqüência que
prevaleça minuto a minuto, produza no seu abençoado setor, setor nobre em
que a sabedoria Divina o situou.



Marco Prisco (espírito) / psicografia de Divaldo Franco

Livro: Ementário Espírita



TEOSE MENTAL



A pureza dos pensamentos é, pois, condição de moralidade da criatura. A
alma vestida dos fluidos da carne passa por duras provações, como lições
que edificam no coração o bem sem exigências. O que chamamos de teose
mental é a purificação da mente no que tange |às idéias. Bem formadas, elas
imantam todos os sentidos de energia divina, capazes de alegrar o Espírito
em todas as investidas para o amor, condicionando vibrações no centro da
vida, onde pode ser gerada a fraternidade pura.

Ao levantares, não deixes que os teus pensamentos assimilem a maioria das
ideias-formas que vêm a tua cabeça, carregadas do pessimismo que, por
vezes, entram no intervalo dos teus pensamentos como sendo tuas. Trabalha
selecionando. Esse esforço deve ser diário, para que a tua vida seja cheia
de bons resultados, constituindo teu o dever de trabalhar no teu mundo
interno, em busca da perfeição espiritual.

Somos atacados por pensamentos inferiores, que se movimentam na psicosfera
da Terra, pelos encarnados e desencarnados ainda sob a influência das
paixões inferiores, nas vinte e quatro horas do dia. Jesus foi o ponto alto
do mestrado, no que diz respeito à libertação das criaturas. Observa Seus
ensinamentos em espírito e verdade, e passarás a preocupar-te contigo mesmo

A tua vida feliz depende de ti! A marcha de despertamento é uma realidade
na nossa vida; no entanto, poderemos acelerá-la com o nosso próprio esforço
individual, juntando experiências e acumulando luzes no celeiro da nossa
vida.



Quando descobrires o teu horizonte de vida, quando assistires ao sol da
verdade nascer em ti, luzes e mais luzes aparecerão a te convidar para a
felicidade que, se não existe ainda na Terra, já começou na mente dos de
boa vontade. Eis a esperança do bom trabalhador no serviço da caridade,
pela força do amor no coração. Sê um bom lutador, mas começa dentro de ti
mesmo, descobrindo as tuas potencialidades que, por vezes, dormem na tua
intimidade, esperando o toque de luz, que o Senhor despertou na tua
consciência.


Estamos em uma época, onde as duas humanidades se encontram para comemorar
o dia da verdade, lançando mãos ao arado, sem olharem para trás.
Concentra-te no bem e ama, que as forças superiores que dirigem e organizam
todas as coisas te ajudarão em todos os momentos de aflições.

Remove, pela vontade, as idéias negativas, selecionando para o ninho da tua
mente, a verdadeira harmonia de vibrações, que no amanhã ficará mais fácil
a aquisição da tua felicidade, sentindo e vivendo o amor.



Miramez (espírito) / psicografia de João Nunes Maia

Livro: Horizontes da Vida





A Universidade ilustra o cérebro.

O Evangelho de Jesus aperfeiçoa o coração.


Emmanuel (espírito) / psicografia de Chico Xavier
..............................


Todo aquele que opere,

e coopere de espírito voltado para Deus,

poderá aguardar sempre o melhor.

Não é promessa de amizade.

É lei.



André Luiz (espírito) / psicografia de Chico Xavier


O Céu para nós começa na Terra.

Em prol da própria felicidade, quem não começou deve começar a escalada Divina; quem já está escalando não deve parar.

Emmanuel (espírito) / psicografia de Chico Xavier

................................



A caridade é sempre maior

para aquele que dá.


Emmanuel (espírito) / psicografia de Chico Xavier

......................

Só a grande vida merece a grande morte.

Além da carne, não há libertação

para quem não se liberta.


Emmanuel (espírito) / psicografia de Chico Xavier




Quanto mais auxiliardes aos outros, mais amplo

auxílio recebereis da Vida Mais Alta.





Bezerra de Menezes (espírito) / psicografia de Chico Xavier




Se te sentes abatido e cansado, ora com mais confiança em Deus.

Meimei (espírito) / psicografia de Chico Xavier






Qualquer desafio conturba.

Mas, sem tentação,

nunca se mede a própria resistência.

André Luiz (espírito) / psicografia de Chico Xavier


A religião é a força que está

edificando a Humanidade.

É a fábrica invisível

do caráter e do sentimento.


Emmanuel (espírito) / psicografia de Chico Xavier




Há dores íntimas, ocultas ao público,

que são agulhões salvadores

para a existência inteira .

Emmanuel (espírito) / psicografia de Chico Xavier


Eduquemo-nos com Ele,
a fim de que possamos realmente educar.

Emmanuel (espírito) / psicografia de Chico Xavier


A PAZ


Viver no corpo é também resgatar.

O Espírito eterno, evoluindo nas etapas sucessivas da vestimenta carnal, se
despe e se reveste dos tecidos orgânicos para aprender e sublimar.


Numa jornada prepara o sentimento, noutra aprimora a emoção, noutra mais
aperfeiçoa a inteligência...


Nascer ou renascer simplesmente não basta.


O labor, interrompido, pois, prosseguirá agora ou depois.

Não cultives, portanto, o pessimismo, nem te abatam as dores.


Cada um se encontra no lugar certo, à hora própria e nas circunstâncias que
lhe são melhores para a evolução. Não há ocorrência ocasional ou
improvisada na Legislação Divina.



Quando retornou curado para agradecer a Jesus da morféia de que fora
libertado, o samaritano que formava o grupo dos dez leprosos, conforme a
narração evangélica, fez-nos precioso legado: o do reconhecimento.



Quando o centurião afirmou ao Senhor que uma simples ordem Sua faria curado
o seu servo, ofertou-nos sublime herança: a fé sem limites.

Quando a hemorroíssa, vencendo todos os obstáculos, tocou o Rabi,
deixou-nos precioso ensino: a coragem da confiança.

Identificado ao espírito do Cristo, não te deixes consumir pelo desespero
ou pela melancolia, sob revolta injustificada ou indiferença cruel.
Persevera, antes, no exame da verdade e insiste no ideal de libertação
interior, ajudando e prosseguindo, além, porque se hoje a angústia e o
sofrimento te maceram, em resgate que não pode transferir, amanhã rutilará
no corpo ou depois dele o sol sublime da felicidade em maravilhoso
amanhecer de perene paz.



"Tem ânimo filhos: perdoados são os teus pecados." - Mateus: 9-2.


"Deus não dá prova superior às forças daquele que a pede; só permite as que
podem ser cumpridas. Se tal não sucede, não é que falte possibilidade:
falta a vontade". - Cap. XIV, Item 9, § 9.



Joanna de Ângelis (espírito) / psicografia de Divaldo Franco




----
O Espiritismo
www.oespiritismo.com.br

PASSE VIRTUAL

ENTRE NO SITE ABAIXO E TOME UM PASSE.
É BOM COMEÇAR O DIA ASSIM, NÉ?

FIQUE COM DEUS.


Site http://www.institutoandreluiz.org/

A ARTE DE MEDITAR

POR :   (Hugo de São Vitor nasceu na Saxônia, que hoje faz parte do território da Alemanha, no ano de 1096. Ainda jovem sentiu a vocação religiosa e mudou-se para Paris com a intenção de ingressar no Mosteiro de São Vitor, no qual residiu até a sua morte em 1141. Ele viveu, portanto, na primeira metade do século dos anos 1100)







OS TRÊS GÊNEROS DE MEDITAÇÃO - I





A meditação é a cogitação freqüente, que investiga o modo, a causa e a razão de cada coisa.

No modo, investiga o que é; na causa, por que é; na razão, como é.



Os seus gêneros são três: o primeiro é sobre as criaturas, o segundo sobre as escrituras, e o último sobre os costumes.



A meditação das criaturas surge da admiração; a meditação das escrituras, da leitura; a meditação dos costumes da circunspecção, do atento exame dos afetos, pensamentos e obras humanas.



II

A MEDITAÇÃO DAS CRIATURAS

Na meditação das criaturas a admiração gera a questão, a questão gera a investigação, a investigação a descoberta.

A admiração considera a disposição, a questão busca a causa e a investigação, a razão.



Admiramos a disposição quando consideramos a diferença entre o céu, onde tudo é igual, e a terra, onde existe o alto e o baixo.



Daqui passamos a questionar a causa, que é a terra ter sido feita para a vida terrena, enquanto que o céu para a vida celeste.



A investigação, finalmente, buscará a razão, descobrindo-a ao encontrar que tal como é a terra, tal é a vida terrena; e tal como é o céu, tal é a vida celeste.



III

A MEDITAÇÃO DAS ESCRITURAS

Na meditação sobre as Escrituras, a consideração deve ser realizada do seguinte modo.

A meditação inicia-se com a leitura: ela é que ministra a matéria para se conhecer a verdade. Segue-se-lhe a meditação, que a une. A esta se acrescentarão a oração, que a eleva; a operação, que a compõe; e a contemplação, que nela exulta. Nossa intenção agora é tratar apenas da meditação.



Nas Escrituras a meditação versa sobre como importa conhecer. Tomemos um exemplo. Está escrito:





"Desvia-te do mal, e faze o bem".



Salmo 36





À leitura sobrevém a meditação. Por que disse primeiro "desvia- te do mal" e depois "faze o bem"? A causa é porque, a não ser que os males sejam primeiro removidos, os bens não podem vir. A razão, assim como primeiro se erradicam as más sementes, depois as boas são plantadas. E também, por que disse: "Desvia-te do mal"? Porque ocorrem no caminho.



Disse também "desvia-te", porque onde pela fortaleza não podemos resistir, pelo conselho e pela razão escapamos desviando-nos.



Desviamo-nos também do mal evitando a matéria do pecado, como por exempo, por causa da soberba, evitando-se as riquezas; por causa da incontinência, a abundância; por causa da concupiscência, a inclinação da carne; por causa da inveja e do litígio, o amor da posse. Isto é desviar-se.



Do mesmo modo, se nos é dado o preceito de nos desviarmos de todo o mal, também somos ordenados a que façamos todo o bem. Aquele que não se desvia de todo o mal é réu; assim é réu também aquele que não faz o bem. Mas, se é assim, quem não é réu? Somos, portanto, ordenados a que nos desviemos de todo o mal. Quanto aos bens, porém, há alguns que são necessários; outros, voluntários. São bens necessários aqueles contidos nos preceitos e no voto; quanto aos restantes, se algo for feito, recompensar-se-á; se nada, não serão imputados.



A meditação sobre uma coisa lida deve versar também sobre como são as coisas que são sabidas, por que o são e como devem ser feitas. A meditação deve ser uma reflexão do conselho sobre como se realizam as coisas que são sabidas, porque inutilmente serão sabidas se não forem realizadas.



Três considerações a serem feitas na meditação sobre as Escrituras

Na meditação acerca de uma leitura devem se fazer três considerações: segundo a história, segundo a alegoria, e segundo a tropologia.

A consideração é segundo a história quando buscamos a razão das coisas que se fizeram, ou as admiramos em sua perfeição de acordo com os tempos, os lugares ou os modos convenientes com que se realizaram. A consideração dos julgamentos divinos exercita quem medita que em nenhum tempo faltou o que foi reto e justo, em todos os quais foi feito o que importava e foi recompensado o que foi justo.

A consideração é segundo a alegoria quando a meditação se ocupa sobre as disposições dos fatos passados, considerando- lhes a significação dos futuros. Considera também a admirável razão e providência com que foram adaptados à inteligência e à forma da fé a ser edificada.

Na tropologia a meditação se ocupa do fruto que podem trazer as coisas que foram ditas, indagando o que insinuam que se deve fazer, ou o que ensinam que deva ser evitado; o que a leitura da escritura propõe para ser aprendido, o que para ser exortado, o que para consolar, o que para se temer, o que para iluminar o vigor da inteligência, o que para alimentar o afeto, e qual a forma de viver para o caminho da virtude.

IV

A MEDITAÇÃO SOBRE OS COSTUMES

A meditação sobre os costumes deve ter por objeto os afetos, os pensamentos e as obras.

Os afetos

Deve-se considerar nos afetos que sejam retos e sinceros, isto é, orientados para aquilo que devem sê-lo e segundo o modo com que devem sê-lo.

Amar aquilo que não se deve é mau, e semelhantemente amar de um modo indevido aquilo que deve ser amado também é mau: o bom afeto existe quando se dirige para aquilo que é devido e segundo o modo com que é devido.



Amnon amou a irmã, e este era um afeto a algo que era devido, mas porque amou mal, não o era segundo o modo como era devido.



O afeto pode ser dirigido àquilo a que é devido e não ser do modo devido; nunca, porém, poderá sê-lo do modo devido se não for dirigido àquilo a que é devido.



O afeto é reto segundo se dirija ao que é devido, e é sincero segundo seja do modo devido.



Os pensamentos

Nos pensamentos deve-se considerar que sejam puros e ordenados.

São puros quando nem são gerados de maus afetos, nem geram maus afetos.



São ordenados quando advém racionalmente, isto é, no seu tempo. De fato, no tempo que não é o seu, mesmo o pensar no que é bom não é sem vício; como na leitura pensar na oração, e na oração pensar na leitura.



As obras

Nas obras deve-se considerar primeiro que sejam feitas com boa intenção.

A boa intenção é a que é simples e reta.



É simples a que é sem malícia.



É reta a que é sem ignorância.



A intenção que é sem malícia possui zelo. Mas a que é por ignorância e não é segundo a ciência, só por causa disso já não possui zelo.



Assim, importa que a inteção seja reta pela discrição, e simples pela benignidade.



Ademais, além da boa intenção deve-se considerar também nas obras que sejam conduzidas desde a reta intenção concebida até ao seu fim por um perseverante fervor, de tal modo que nem a perseverança se entorpeça, nem o amor se arrefeça.



V

OUTROS REQUISITOS DA

MEDITAÇÃO SOBRE OS COSTUMES

A meditação sobre os costumes deve discorrer, ademais, por duas considerações, que são a externa e a interna. A consideração externa é a consideração quanto à forma; a consideração interna é a consideração quanto à consciência.

Na consideração externa, devemos examinar o que é decente e o que é conveniente.



A decência deve ser considerada pelo exemplo dado em relação ao próximo. A conveniência deve ser considerada pelo mérito em relação a nós.



Na consideração interna, quanto à consciência, devemos examinar se a consciência é pura e se não possa ser acusada tanto pelo torpor no bem como pela presunção no mal. A consciência é pura quando nem é acusada do passado, nem se regozija injustamento do presente.



A origem e a tendência de todos os movimentos do coração.

A meditação sobre os costumes deve exercer também sua consideração no sentido de depreender todos os movimentos que se originam no coração, de onde vêm e para onde tendem.

Deve examinar de onde vêm segundo a origem, e para onde tendem segundo o fim: todo movimento é proveniente de algo e se dirige para algo.



Os movimentos do coração, porém, às vezes têm uma origem manifesta, outras vezes oculta. Os que a têm manifesta, ainda às vezes a têm manifestamente boa, outras vezes manifestamente má.



A origem que é manifestamente boa é de Deus; a que é, porém, manifestamente má é do demônio ou da carne. Todas as sugestões e todas as aspirações que invisivelmente advêm ao coração procedem destes três autores.



As coisas ocultas às vezes são boas e ocultas, outras vezes màs e dúbias. As que são boas são de Deus; as que são más, do demônio ou da carne.



O que é manifesto, seja bom ou seja mau, é julgado pela sua primeira origem. O que, entretanto, é dúbio em sua origem, é provado pelo fim. O fim manifesta o que no princípio se encobria; por causa disto, quem não pode julgar os seus movimentos pelo princípio, investigue o fim e a consumação.



As coisas, portanto, que são dúbias ou incertas são bens ou males ocultos. As que são males, conforme foi dito, são do demônio ou da carne. Elas não se distinguem pelo fato de serem más; distinguem-se pelo fato de que as da carne freqüentemente surgem por causa de uma necessidade, enquanto as do demônio o fazem sem uma razão, pois aquilo que é sugerido pelo demônio, assim como é alheio ao homem, assim freqüentemente é alheio à razão humana. As obras do demônio se discernem, pois, por serem estranhas ao homem e alheios à razão humana, enquanto que as da carne e as suas sugestões freqüentemente têm uma necessidade precedente como causa; ultrapassando, porém, o modo e a necessidade, crescem até à superfluidade.



O discernimento entre o bem e o mal, e dos bens entre si.

A meditação dos costumes também deve exercer-se pelos três julgamentos seguintes.

O primeiro é o que julga entre o dia e a noite.



O segundo é o que julga entre o dia e o dia.



O terceiro é o que julga o dia todo.



Julgar entre o dia e a noite é dividir as coisas más das boas.



Julgar entre o dia e o dia é ter o discernimento entre o bom e o melhor.



Julgar o dia todo é avaliar cada um dos bens singulares pelo seu mérito.



O fim e a direção de todos os trabalhos.

A meditação dos costumes deve também considerar o fim e a direção de todos os trabalhos.

O fim é aquilo ao qual se tende.



A direção, aquilo através do qual mais facilmente se chega.



Tudo aquilo que tende a algum fim a ele se dirige segundo algum caminho próprio, e aquilo que prossegue do modo mais direto, mais rapidamente chega. Há alguns bens nos quais há muito para se mover e pouco para se promover. Outros, com pequeno trabalho produzem grande fruto.



Estes, portanto, que mais aproveitam, devem ser discernidos e mais escolhidos: são os melhores, e importa julgar todo trabalho segundo o seu fruto.



Muitos, não possuindo este discernimento, trabalharam muito e progrediram pouco, já que puseram seus olhos apenas externamente na beleza da obra, e não internamente no fruto da virtude. Gabaram-se mais em fazer grandes coisas do que exercitar o que é útil, e amaram mais aquilo em que pudessem ser vistos, do que aquilo em que pudessem se emendar.



O discernimento dos graus das obrigações

A meditação dos costumes deve considerar sempre em primeiro lugar as coisas que são devidas, seja pelo preceito, seja pelo voto, e julgá-las como as primeiras a serem feitas. Estas obras, se feitas, possuem mérito; se não feitas, geram reato. Devem, portanto, ser feitas em primeiro lugar, e não podem ser deixadas sem culpa.

Depois destas, se lhe são acrescentadas outras por um exercício voluntário, isto deverá ser feito de tal maneira que não seja impedido o que é devido.



Há quem queira o que não deve, não querendo o que deve; outros, ainda, querendo o que devem, todavia colocam impedimentos voluntários querendo o que não devem.



O evitar a aflição e a ocupação

A meditação dos costumes deve considerar também evitar-se na boa ação principalmente os dois males da aflição e da ocupação.

A aflição gera a amargura, a ocupação gera a dissipação. Pela aflição, amarga-se a doçura da mente; pela ocupação, dissipa-se a sua tranquilidade.



A aflição surge quando a impaciência nos queima com coisas impossíveis. A ocupação, quando a impaciência nos agita com coisas possíveis.



Para que a alma não se amargure, sustente pacientemente a sua impossibilidade; para que não se ocupe erroneamente, não estenda suas possibilidades além da sua medida.



O julgamento da forma correta de viver

A meditação dos costumes deve julgar também a forma de viver, provando não ser bom apetecer impacientemente as coisas que não se fazem, nem aborrecer-se tolamente com as que se fazem.

Quem sempre apetece o que não faz e aborrece o que faz, nem frui o que lhe é presente, nem se sacia do que lhe é futuro. Abandona o iniciado antes da consumação, e toma antes do tempo o que deve ser iniciado.



Portanto, é bom contentar-se com o seu bem e aumentar os bens presentes com os bens supervenientes, sem desprezá-los pelos futuros.



A troca dos bens pertence à leviandade; o exercício, porém, à virtude: aqueles que desprezam os velhos pelos novos e aqueles que sobem dos inferiores aos superiores correm por caminhos muito diversos. Aquele que busca a mudança é tão fastidioso como é aplicado aquele que apetece o aperfeiçoamento.



Caminha, portanto, retissimamente aquele que é de tal maneira fervoroso para o melhor que não se aborrece no bem, mas sustenta o anterior até que no devido tempo alcance o posterior.

O PREPARO PARA O PASSISTA E PACIENTE

Kardec ( obras póstumas ) nos informa que "A força magnética é puramente orgânica; pode, como a força muscular, ser partilha de toda gente, mesmo do homem perverso; mas só o homem de bem se serve dela exclusivamente para o bem... mais depurado, o seu fluido possui propriedades benfazejas e reparadoras, que não pode ter o homem vicioso ou interessado."




Analisando esta assertiva, concluímos que, para que exista um perfeito entrosamento Espírito protetor - passista, e para o Espírito que vem auxiliar possa realmente combinar o seu fluido com o fluido humano, lhe imprimindo qualidades de que ele carece, é necessário que o passista dê condições para que esse intercâmbio se faça, condições essas de natureza física e espiritual.



A saúde do passista é uma condição primordial para a realização de um bom trabalho. Assim, como a qualidade do fluido está na razão direta do estado de evolução da alma, assim também, a maior ou menor eficiência da magnetização, depende da saúde do corpo físico; a razão é clara: um corpo sem saúde não pode transmitir aquilo que não possui.



Quanto mais equilibrado o organismo, maior o rendimento de suas energias, que serão partilhadas. De um modo geral, deve-se evitar tudo quanto implica em desgaste ou perda de energia: Excessos sexuais, trabalhos demasiados, alimentação imprópria, hiperácida, bem como o álcool, a nicotina e os entorpecentes de toda a espécie.



Para o passista, na execução da tarefa que lhe está subordinada, não basta a boa vontade, como acontece em outros setores; é necessário revelar determinadas qualidades de ordem superior, apresentando grande domínio de si mesmo, espontâneo equilíbrio de sentimentos, acentuado amor aos semelhantes, alta compreensão da vida, fé vigorosa e profunda, confiança no poder divino.



Semelhantes requisitos constituem exigências a que não se pode fugir, mas a boa vontade sincera, em alguns casos pode suprir essa ou aquela deficiência, o que se justifica em virtude da assistência prestada pelos benfeitores espirituais aos servidores humanos, ainda incompletos no terreno das qualidades desejáveis.



A prece representa elemento indispensável para que a alma do passista estabeleça comunhão direta com as forças do bem, favorecendo assim, a canalização através da mente, dos recursos magnéticos necessários das esferas elevadas.



Não se deve também abusar da magnetização, com processos prolongados ou em grandes quantidades, o que ocasiona dispêndio de fluidos, e conseqüentemente, a fadiga. Não se deve transmitir uma força já em grau de esgotamento, a qual não beneficia quem recebe, e prejudica quem transmite.



Resumindo, vida sóbria e moderada, sem abusos, desequilíbrios, sem excessos e desvios, é o que se prescreve ao magnetizador.



Existem doentes, em que o magnetismo nenhuma influência exerce, e outros em que a ação desde logo é evidenciada e decisiva, por fatores devido ao magnetizador, ao magnetizado, ou a ambos.



Preparar um doente para aplicação do devido tratamento espiritual, é colocá-lo em estado de perfeita harmonia com a fé em Deus.



Alguns itens deverão ser observados para a preparação do paciente, tais como o ambiente familiar, a sua posição mental e o estado espiritual.



O principal agente de cura, reside no próprio doente: é o desejo de transformação interior, e a elevação mental. Com isso, muito mais eficiente será a ação da magnetização, e do auxílio do mundo espiritual superior, far-se-á mais naturalmente.



O magnetismo, em certos estados de ordem psíquica ou espiritual, basta e pode ser o melhor agente corretivo. Porém não se pode ter o magnetismo, como agente curador exclusivo, para a maioria dos casos e dos indivíduos. É preciso atentar para o corpo já afetado, e principalmente, para problemas cármicos, quando então o magnetismo atuará como renovador de energias, para que possa se suportar com fé e equilíbrio, as expiações de vidas pretéritas.

PARA QUEM RECEBE O PASSE ( PACIENTE)

Conforme já estudamos, basicamente são dois os personagens que se interligam no mecanismo do passe: o receptor e o doador.




Por isso, o sucesso ou insucesso de um tratamento fluidoterápico depende, diretamente, do comportamento deles.



Ë necessário um comprometimento, não somente no momento do passe, todavia um comprometimento necessário a mudança íntima do ser, em seus atos diários, na forma de pensar e agir.



Este é um pensamento genérico, haja vista sabermos que vários fatores influem no processo, os quais nem ao menos se limitam à esfera material. Todavia no momento veremos quem recebe. Não sabemos de onde veio, por onde veio, que religião tem. Mas sabemos o essencial: ele é o nosso próximo, e está, ali necessitando de ajuda e colocando-se na condição de recebedor, que é indubitavelmente condições iniciais para qualquer tratamento, assim como o arrependimento é indiscutivelmente necessário para qualquer processo de restabelecimento de contas com a bondade Divina, todavia deverá vir juntamente com a reparação, para receber algo que esta querendo ou necessitando e principalmente se propôs a receber algo, que é para nós, os médiuns, os dirigentes e as Casas Espíritas, um bom caminho para a prática do amor fraternal, desinteressado e cristão. Portanto, mãos à obra.



Primeiro, nos conscientizemos de que devemos dar ao paciente, além do passe, tudo o mais que é da maior importância: evangelho, orientação, desmistificação do tratamento e desmistificação dos ídolos, conclamando-os à reforma interior e à compreensão dos fatos para, pelo conhecimento, não ser levado a vícios e equívocos que, embora costumeiros, são injustificáveis.



Como homens, sabemos que a administração do patrimônio orgânico é tarefa pessoal e intransferível, estando não apenas sua manutenção sobre nossa responsabilidade, mas, igualmente sua conservação dentro dos padrões de equilíbrio que a própria natureza nos indica. Emmanuel em o Consolador salienta que: “Quando, porém, o homem espiritual dominar o homem físico, os elementos medicamentosos da Terra estarão transformados na excelência dos recursos psíquicos e essa grande oficina achar-se-á elevada a santuário de forças e possibilidades espirituais juntos das almas”.



Podemos destacar entre os que recebem o passe os seguintes tipos de pacientes:



Paciente com problemas físicos

Incluem os pacientes que apresentam problemas orgânicos, desprezando qualquer fator que não seja puramente físico. Subdividiremos este grupo de pacientes em três:



Portadores de doenças contagiosas

O passista não deve negar atendimento a essa categoria por medo de contágio, todavia devemos ter o bom senso de não expor alguém que venha em busca de auxílio ao contágio de outro mal. Tal como não será cristão dispor o contagiante que igualmente busca ajuda, ao ridículo da execração de outrem. A prudência nos sugere discernimento e tato.



Portadores de doenças não contagiosas

O paciente aqui enquadrado não expõe outros a risos de contágio, seu atendimento poderá ser feito tanto de forma individualizada quanto em grupo, dependendo do tratamento e das técnicas a serem usadas.



Pacientes com problemas espirituais

Pacientes nessas circunstâncias sentem com muita freqüência a “influência ou a aproximação” de entidades espirituais, quando recebem o passe. Deveremos ai utilizar das técnicas mais designadas a esse tipo de problema, desligando o “plug”, encarnado – desencarnado para os devidos tratamentos.



Dividiremos também este grupo em três subdivisões:



De origem Prispirítica (Cármica)

De origem Obsessiva

Decorrentes de desvios Morais

Pacientes com ambos os problemas

Verificamos aqui, os pacientes com problemas físicos (orgânicos) e psíquicos (espirituais)



Mais uma vez nos deparamos com a prudência em analisar e principalmente nunca, descartar o tratamento da medicina convencional para alguns casos. Através do estudo, sempre conjugado à intuição espiritual, podemos avaliar a maior valência do problema do paciente para bem direcionar o tratamento. Caso prevaleça o aspecto físico, recomenda-se os cuidados descritos para pacientes com estes problemas. Contudo, o bom senso nos recomenda não fazermos distinção tão marcante, notadamente porque os espíritos serão os verdadeiros ‘operadores” e, quase sempre, serão eles que encaminharão todo o processo, abstração feita à responsabilidade dos médiuns.



A paciência também será grandioso instrumento para este tratamento, paciência esta, por parte do paciente e do passista.



Assim o passe é destinado a:



Alguém que procura, solicita, se esforça ou requer emergência;

Alguém que se encontra hipnotizado magneticamente, quer por força material ou por força espiritual;

Alguém que necessita de recursos terapêuticos complementar, reparatório ou preparatório;

Alguém que está sob influencia obsessiva, como parte do tratamento obs

O PASSISTA

A mediunidade curativa consiste no dom que certas pessoas tem de curar pelo simples toque, pelo olhar ou por um gesto. Sem o concurso de qualquer medicação, sendo o médium um intermediário entre os espíritos e o homem. (Allan Kardec, em O Livro dos Médiuns, cap 14) É claro que não nos reportamos aos magnetizadores que desenvolvem as forças que lhe são peculiares, no trato as saúde humana. Referimo-nos, sim, aos intérpretes da espiritualidade superior, consagrados à assistência providencial dos enfermos para encorajar-lhes a ação, pois caracteriza-se mediunidade, desde que haja influência exterior ou melhor dizendo, espiritual. Decerto, o estudo da constituição humana lhes é naturalmente aconselhável, tanto quanto ao aluno de enfermagem, embora não seja médico, se recomenda a aquisição de conhecimentos do corpo em si. E do mesmo modo que esse aprendiz de rudimentos da medicina precisa atentar para a assepsia do seu quadro de trabalho, o médium passista necessitará vigilância no seu campo de ação, porquanto de sua higiene espiritual resultará o reflexo benfazejo naqueles que se proponha socorrer.




"Os encarnados de um modo geral, poderiam colaborar em semelhantes atividades de auxílio magnético? Perguntou André Luiz.



Todos, com maior ou menor intensidade, poderão prestar concurso fraterno, nesse sentido - e, porquanto, revelada a disposição fiel de cooperar a serviço do próximo, por esse ou aquele trabalhador, as autoridades de nosso meio designam entidades sábias e benevolentes que orientam indiretamente a neófito, utilizando-lhe a boa vontade e enriquecendo-lhe o próprio valor.



Todavia nas atividades de assistência espiritual, o passe é das tarefas mais delicadas, exigindo muito critério, responsabilidade e boa vontade. Os médiuns precisam revelar algumas qualidades de ordem superior entre as quais destacamos, como ideal a ser perseguido, as seguintes: (André Luiz, em Missionários da Luz, cap 19).



Ter grande domínio sobre si mesmo

Espontâneo equilíbrio dos sentimentos

Acendrado amor aos semelhantes

Alta compreensão da vida

Profunda confiança no Poder Divino".

O passista é aquele que ministra o passe. Ser um passista espírita é uma tarefa de grande responsabilidade, pois trata-se de ajudar e abençoar as pessoas em nome de Deus. Pessoas carentes e sedentas de melhoria, procuram no centro espírita o recurso do passe como forma de alívio das pressões psicológicas e sustentação para suas forças morais e físicas.



O passista não precisa ser um santo, mas necessita esforçar-se na melhoria íntima e no aprendizado intelectual, conforme acima vemos. Armado do desejo sincero de servir, quase todos os iniciantes podem trabalhar neste sagrado ministério. O passista deve procurar viver uma vida sadia, tanto física quanto moralmente. Aos poucos, os vícios terrenos têm que ceder lugar às virtudes. O uso do cigarro e da bebida devem ser evitados. Como o passista doa de si uma parte dos fluidos que vão fortalecer o lado material e espiritual do necessitado, esses fluidos precisam estar limpos de vibrações deletérias oriundas de vícios.



No aspecto mental, o passista deve cultivar bons pensamentos no seu dia-a-dia. O orgulho, o egoísmo, a maledicência, a sensualidade exagerada e a violência nas atitudes devem ser combatidos constantemente. A Espiritualidade superior associa equipes de Benfeitores aos trabalhadores que se esforçam, multiplicando-lhes a capacidade de serviço.



A fé racional e a certeza no amparo dos bons Espíritos são sentimentos que devem estar presentes no coração de todos os passistas. É fundamental no trabalho de passe, doar-se com sinceridade à tarefa sob sua responsabilidade, vendo em todo sofredor uma alma carente de amparo e orientação.



O passista não deve ter preferência por quem quer que seja. Seu auxílio deve ser igualmente distribuído a todas as criaturas. As elevadas condições morais do passista são fundamentais para que ele consiga obter um resultado satisfatório no serviço do passe.



Portanto, todos podemos ministrar passes, porém é necessário um mínimo preparo moral a fim de que a ajuda seja o mais eficaz possível. Como todas as tarefas realizadas dentro do centro espírita, esta também carece de cuidados e atenção por parte de quem se propõe a executá-la.



“Como a todos é dado apelar aos bons Espíritos, orar e querer o bem, muitas vezes basta impor as mãos sobre a dor para a acalmar; é o que pode fazer qualquer um, se trouxer a fé, o fervor, a vontade e a confiança em Deus” - (Allan Kardec - Revista Espírita, Setembro, 1865).



CONDIÇÕES FÍSICAS DO PASSISTA

Deste ponto de visualização, poderia parecer à primeira vista que apenas aqueles que têm bom condicionamento físico são passíveis de aplicar passes. É fora de dúvidas que uma saúde perfeita, um corpo sem doenças, favorecerá enormemente na função de uma boa doação fluídica, transmitindo de uma forma mais harmônica e profunda os fluidos salutares. Mas, por todo o estudo que até aqui sintetizamos, é bem fácil verificar que isso não é tudo; afinal, são inumeráveis os casos de pessoas que são socorridas por outras mais débeis e frágeis fisicamente, mas, nem por isso, os alcances são menos expressivos.



Todavia, neste trabalho, de modo algum estamos querendo menosprezar o valor do equilíbrio orgânico do médium passista, notadamente daquele que doa as suas próprias energias.



Vejamos como pensa Michaelus em seu Livro Magnetismo Espiritual: " Um corpo sem saúde não pode transmitir aquilo que não possui; a sua irradiação seria fraca, ineficaz e mais nociva do que útil, para si e para o doente".



"Deve-se, entretanto, distinguir entre uma pessoa incessantemente doente da que é apenas atingida de uma doença local, um mal de estômago, dos rins, etc., embora de caráter crônico." (Michaelus, no mesmo livro, cap 7).



Apesar de parecer contraditório, a saúde é importante ser velada, mas, de igual modo, não é tudo. Afinal, como o fluxo magnético provém não só do corpo senão essencialmente da alma, é desta que devemos cuidar em primeiro lugar. Só que é indissociável o cuidar de uma sem o zelar da oura. Outrossim, o estado físico, por si só, não diz tudo o que precisa ser observado; já dissemos em outros capítulos, que a mentalização negativa destrói, desintegra, perturba nossos campos fluídicos equilibrados e equilibrantes, donde fácil concluir que o físico não é sobrevalente ao estado mental.



De forma alguma, como já expressamos acima, queremos dizer que o zelo pela saúde não seja necessário, pois, o é realmente. Em primeiro lugar por estarmos cuidando do veículo de manifestação de nosso espírito na terra, para através dele poder aprender, viver e obrar. Em segundo lugar que aquele que doa algo, deverá profundamente se preocupar com o que estar doando, para que não prejudique aquele que recebe, ao invés de o ajudar.



Preocupamo-nos aqui, também com a alimentação, pois conforme André Luiz nos diz em seu Livro Missionários da Luz, cap 19: " "O excesso de alimentação produz odores fétido, através dos poros, bem como das saídas dos pulmões e do estômago prejudicando as faculdades radiantes devido às desarmonias que geram no aparelho gastrointestinal. O álcool e outras substâncias tóxicas operam distúrbios nos centros nervosos, modificando certas funções psíquicas e anulando os melhores esforços na transmissão de elementos regeneradores e salutares".



A saúde, como podemos verificar, é uma das condições primordiais para o trabalho do passe.



Se o médium não tem uma saúde, ao menos, harmônica, como poderá transmiti-la?.



Os fluidos que saem através do passista é lógico que vão impregnados de saúde ou de mazelas segundo a situação de que o médium se encontre.



A vontade que movimenta os fluidos regeneradores, capazes de rearmonizar o perispírito ou o organismo enfermiço, pode manipular fluidos deletérios pelo mesmo mecanismo, criando ou até mesmo acentuando males em curso de instalação ou de desenvolvimento. O passista poderá receber fluidos puros, estes, porém, serão tisnados ao contato de suas próprias emanações individuais que lhe alteram o teor regenerativo, poluindo-os antes de transferi-los ao amigo enfermo.



CONDIÇÕES MORAIS

Fazendo uso da palavras do Codificador em o Livro dos Médiuns, cap 20, compreenderemos de uma maneira mais alargada a função da moral em torno do passe:



" Se o médium, do ponto de vista da execução, não passa de um instrumento, exerce, todavia, influência muito grande, sob o aspecto moral. A alma exerce sobre o espírito livre um espécie de atração, ou repulsão, conforme o grau da semelhança existente entre eles. As qualidades, que de preferência, atraem os bons espíritos são: a bondade, a benevolência, a simplicidade de coração, o amor do próximo, o desprendimento das coisas materiais. Os defeitos que os afastam são: o orgulho, o egoísmo, a inveja, o ciúme, o ódio, a cupidez, a sensualidade e todas as paixões que escravizam o homem à matéria. Além disso, a porta que os espíritos imperfeitos exploram com mais habilidade é o orgulho, porque é a que a criatura menos confessa a si mesma. O orgulho tem perdido muitos médiuns dotados das mais belas faculdades".



Na Revista Espírita de Outubro de 1867, Kardec publicou uma mensagem do Abade Príncipe de Hohenlohe muito interessante:



"Conforme o estado de vossa alma e as aptidões do vosso organismo, podeis, se Deus vo-lo permitir, tanto curar as dores físicas quanto os sofrimentos morais, ou ambos. Duvidais de ser capaz de fazer uma ou outra coisa, porque conheceis as vossas imperfeições . Mas Deus não pede a perfeição, a pureza absoluta dos homens da terra. A esse título, ninguém entre vós seria digno de ser médium curador. Deus pede que vos melhoreis, que façais esforços constantes para vos purificar e vos leva em conta a vossa boa vontade. Melhorai-vos pela prece, pelo amor ao Senhor, de vossos irmãos e não duvideis que o Todo-Poderoso não vos dê as ocasiões freqüentes de exercer vossa faculdade mediúnica. Até lá orai, progredi pela caridade moral, pela influência do exemplo".



Noutra oportunidade o Codificador indagou ao espírito Annonay, sonâmbula de uma lucidez notável, a qual ele conhecera quando encarnada: (Revista espírita, Março de 1859)



"27 - O poder magnético do magnetizador depende de sua constituição física?

Sim, mas muito de seu caráter. Numa palavra; depende de si próprio.



30 - Quais as qualidades mais essenciais para o magnetizador?

O coração, as boas intenções sempre firmes; o desinteresse.



31 - Quais os defeitos que mais o prejudicam?

As más inclinações, ou melhor, o desejo de prejudicar".



Verificamos que o fluido emanado por nós será sempre mais depurado a medida que formos mais puros e despendidos da matéria, a medida que darmos mais valor aos bens espirituais em detrimento das coisas materiais.



"As qualidades do fluido humano apresentam nuanças infinitas, conforme as qualidades físicas e morais do indivíduo. É evidente que o fluido emanado de um corpo malsão pode inocular princípios mórbidos ao magnetizado. As qualidades morais do magnetizados, isto é, a pureza de intenção e de sentimento, o desejo ardente e desinteressado de aliviar o seu semelhante, aliado à saúde do corpo, dão ao fluido um poder reparador que pode, em certos indivíduos, aproximar-se das qualidades do fluido espiritual". (Revista Espírita, Setembro de 1865).



Reflitamos no que nos diz o espírito Alexandre em o Livro Missionários da Luz, cap 19:



"O missionário do auxílio magnético, na Crosta terrestre ou aqui em nossa esfera, necessita ter grande domínio sobre si mesmo, espontâneo equilíbrio de sentimentos, acendrado amor aos semelhantes, alta compreensão da vida, fé vigorosa e profunda confiança no Poder Divino".



Não pensemos, todavia, que isso só se aplica aos espíritas. A moral é chave fundamental para todos os povos. "Os curandeiros, mesmo aqueles que não são vistos com os bons olhos da humanidade, inclusive uma grande parte espírita, são portadores de virtudes enobrecedoras e, sem dúvida, isso é fundamental para seus sucessos". (George W. Meek, em As Curas Paranormais ).



Através de todas estas análises, sentimos como o posicionamento moral do médium é muito importante para o sucesso de sua tarefa. Não esperemos, pois, que os pacientes sejam sempre "bonzinhos" e que os espíritos estejam sempre "na agulha" para agiram ao nosso "estalar de dedos", sem que sejamos nós os primeiros a estarmos prontos, física e sobretudo, moralmente para o trabalho. Não seria de se pensar diferente. A moral há de ter importância preponderante nos trabalhos fluídicos, já que o meio onde os fluidos são processados é basicamente mental (para não dizer espiritual). A mente determina a vibração fluídica a partir da vontade e esta libera os fluidos, tonificando-os pelo padrões psíquicos dos emissores; estes fluidos serão tão melhormente consistentes e harmonizados quanto maior equilíbrio tiver a moral dos doadores. Assim, deixando de lado as condições do receptor final (paciente), a emissão fluídica assume o cunho de pureza determinada pela moral em que vibram os emissores.



CONDIÇÕES MENTAIS

Ondas vitais, essenciais, pensamentos, idéias, desejos e etc...



Tudo isso age e reage sobre os outros seres, influenciando-os em sua vontade, sentimentos, pensamentos e atos. E tudo se reflete na radiação tonal, na aura individual, criando atmosfera boa ou má, atrativa ou repulsiva, saudável ou enfermiça. Para termos este campo vibratório em uma condição menos deplorável, é imprescindível que tomemos em conta nosso direcionamento mental, em que diapasão estamos tratando de vibrar, para sabermos o que iremos receber, pois, as afinidades vibratórias [e que regulam esse intercâmbio de dar e receber, no plano invisível, forças e fluidos. Facilitando ou dificultando ainda mais, o trabalho da espiritualidade responsável pelos trabalhos de fluidificação.



Estas condições que ora abordamos estão profundamente relacionadas com as anteriores, ou seja, as condições morais do médium passista



Vamos ainda pensar nas condições psicológicas do médium ante o serviço do passe. Muitas publicações têm surgido em nossos tempos, sobre o poder da mente, com colocações, diríamos, nem sempre bem ponderadas. Isto porque, na maioria delas, enfatiza-se o "querer é poder", mas, atribuindo ao querer a simples repetitividade, até meio irracional, de palavras ou frases "chaves". Os médiuns hão de desenvolver condições íntimas de fé e confiança, que se adquirem com muito labor. A alma exerce sobre o espírito livre uma espécie de atração ou repulsão, conforme o grau de atitudes cultivadas existentes entre eles. A mente esta presente como ponto de muita relevância nas manifestações mediúnicas, pois o cérebro é um aparelho emissor e receptor de ondas mentais; o pensamento é um fluxo energético do campo espiritual, ou seja, se não tentarmos manter-nos em um estado constante de reforma mental, na construção de pensamentos melhores, seguramente estaremos também prejudicando esta manifestação de amor através do passe. Pois atraímos a sintonia que cultivamos. O Cultivo da mente pura é nosso dever, já que como vimos, ela é o filtro por onde passam as benesses que favorecerão nosso próximo e, por conseguinte, a nós mesmos.



A energia transmitida pelos amigos espirituais circula primeiramente na cabeça dos médiuns (só para recordar, lembremos onde fica o Centro Coronário e qual a sua importância).



O cérebro é como um aparelho emissor e receptor de ondas mentais; o pensamento é um fluxo energético do campo espiritual.



A vibração é um movimento de vaivém, chama-se movimento vibratório.



Sintonia é a identidade ou harmonia vibratória, isto é, o grau de semelhança das emissões ou radiações mentais de dois ou mais espíritos, encarnados ou desencarnados, ou seja, afinidade moral.



Sabemos que o pensamento é um fluxo fluídico, é matéria sutil do corpo espiritual, logo é concreto e às vezes muito visível, podendo perdurar longamente em dadas circunstâncias.



Portanto o padrão vibratório é uma maneira de definir o padrão moral do espírito. Atraímos as mentes que possuem o mesmo padrão vibratório nosso, que estão no mesmo nível moral. A comunicação interespiritual é controlada pelo grau de sintonia, a qual a seu turno, decorre da afinidade moral. Temos por isso, a companhia espiritual que desejamos mediante o nosso comportamento, sentimentos, pensamentos e aspirações. Estão ao nosso redor aqueles que sintonizam conosco ou têm contas a ajustar.



É o caso e a hora de perguntar: como podemos elevar cada vez mais as nossas vibrações e, assim, aprimorar a capacidade de sintonia e vibração? - Enriquecendo o pensamento por meio do desenvolvimento da INTELIGÊNCIA; - estudo, conhecimento. SENTIMENTO; - prática do bem, serviço prestado, moralidade, em suma, auto-aperfeiçoamento pelo esforço próprio no caminho do bem. Com particular aplicação à Mediunidade, que não progride sem o aprimoramento do médium.



Em virtude do princípio de sintonia, estabelece-se uma dependência entre encarnados e desencarnados quando ambos estão perturbados e emitindo vibrações viciadas. A identidade vibratória inferior, no caso do ódio, ressentimento, tristeza, desânimo, etc., prende os desencarnados mais ou menos inconscientes do seu estado na aura magnética dos encarnados.

O PASSE ESPÍRITA

Sobre o assunto, Kardec tratou sobre o aspecto geral de CURAS e nos demonstra que "este gênero de mediunidade consiste, principalmente, no dom que possuem certas pessoas de curar pelo simples toque, pelo olhar, mesmo por um gesto, sem o uso de qualquer medicação". (L. M. Cap. Xiv - 175 - 2 Parte).




Kardec questionava, pois entendia que o fenômeno não passava de magnetismo, mas sua perspicácia de cientista demonstrava que alguma coisa a mais existia.



Expôs que geralmente todos os magnetizadores são aptos a curar. Examinando mais profundamente o assunto, nos demonstra que diferente do magnetizador é o médium curador, uma vez que esta faculdade é espontânea, e que alguns a possuem sem terem tido, jamais, conhecimento do magnetismo. É assim que nos assinala que neste caso existe a intervenção de uma potência oculta, que é o que realmente constitui e caracteriza a mediunidade.



No item 176, do capítulo mencionado, Kardec formula uma série de perguntas que é importante analisar.



"Pergunta - Podem considerar-se as pessoas dotadas de força magnética como formando uma variedade de médiuns?

Resposta - Não há que duvidar.



Pergunta - Entretanto, o médium é um intermediário entre os Espíritos e o homem; ora, o magnetizador, haurindo em si mesmo a força de que se utiliza, não parece que seja intermediário de nenhuma potência estranha.

Resposta - É um erro; a força magnética reside, sem dúvida, no homem, mas é aumentada pela ação dos Espíritos que ele chama em seu auxílio... ele aumenta a tua força e a tua vontade, dirige o teu fluido e lhe dá as qualidades necessárias".



Por aí vemos que no mecanismo da cura pelo Passe, são os Espíritos que conduzem o processo, pois que:



Aumentam nossos fluidos

Dirigem nossos fluidos

Qualificam nossos fluidos

Na 6ª pergunta, desejando saber se nas pessoas que possuem o dom de curar, se haveria também ação magnética ou apenas influência dos Espíritos, obteve como resposta: "uma e outra coisa. Essas pessoas são verdadeiros médiuns, pois que atuam sob a influência dos espíritos".



CONCEITOS

Segundo Kardec, a ação fluídica se transmite de perispírito a perispírito, e deste ao corpo material. (Rev. Espírita - Ano Viii - Setembro 1865 - Volume 9 - Pag. 258).



Tal assertiva é hoje comprovada cientificamente, o que demonstra o papel importantíssimo do perispírito na economia orgânica. A comprovação temos em várias obras e principalmente no livro de Sheila Ostrander e Lynn Shoroeder, "Experiências Psíquicas Além da Cortina de Ferro", à pag. 243, quando nos diz: "Os trabalhos preliminares com a fotografia Kirliana até agora parecem indicar que a cura psíquica envolve uma transferência de energia do corpo bioplasmático do curador para o corpo bioplasmático do paciente.



Sendo o intermediário entre o corpo e o espírito o perispírito possui esta característica de receptor e transmissor.



As mudanças ocorridas nesse nível finalmente se refletem no corpo físico e, segundo se afirma, curam-no.



Que é o Corpo Bioplasmático, energético, da ciência?



Nada mais que o Perispírito, que Kardec nos revelou há 142 anos.



Assim é que segundo Kardec, o passe, é a transferência de fluidos de perispírito para perispírito. (A Gênese - Cap. Xiv - Item 31).



No movimento espírita, existem outros conceitos, tais como:



"É uma transfusão de energias psíquicas..."



(Emmanuel - O Consolador - questão 99)



"É uma transfusão de energias regeneradoras..."



(Marco Prisco - Ementário Espírita)



"Não é unicamente transfusão de energias anímicas. É o equilibrante ideal da mente, apoio eficaz de todos os tratamentos".



(André Luiz - Opinião Espírita - cap. 55)



"...O passe é transfusão de energias fisio-psíquicas, operação de boa vontade, dentro da qual o companheiro do bem cede de si mesmo em teu benefício".



(Emmanuel - Segue-me - cap. O PASSE).



A FÉ E SUA INFLUÊNCIA NOS PROCESSOS DE CURAS

Verificamos três importantes assuntos no campo do passe, que são também deveras preponderantes para que a ação fluídica transmitida ao enfermo possa gerar profundo restabelecimento.



O poder da fé demonstra, de modo direto e especial, na ação magnética; por seu intermédio, o homem atua sobre o fluido, agente universal, modifica-lhe as qualidades e lhe dá uma impulsão por assim dizer irresistível.



Daí decorre que, aquele que, a um grande poder fluídico normal, junta a FÉ, pode só pela força de sua vontade dirigida para o bem, operar esses singulares fenômenos de cura e outros mais, tidos antigamente por prodígios, milagres, mas que não passam de efeitos de uma lei natural, tal o motivo que levou a Jesus dizer a seus apóstolos: "Se não curastes, foi porque não tendes fé". (Allan Kardec, em O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap 7).



Na verdade não há muito o que interpretar destas palavras de Kardec; apenas queremos aqui ressaltar a ponte existente entre a fé e a ação fluídica por obra da força de vontade. Torna-se desnecessário dizer, que na ausência da fé, por parte do passista, é a anulação prática de seu poder fluídico e, no paciente é a falta do catalisador fundamental do restabelecimento. Conforme Kardec nos assevera : "Entende-se por fé a confiança que se tem na realização de uma coisa, a certeza de atingir determinado fim." . A A fé que compreendendo o mecanismo de atuação acredita patentemente na assistência invisível no momento da ação fluídica. Não vamos confundir a fé com presunção, pois a fé é humilde.



Tanto quem doa como também quem recebe esta fé deverá ser uma diretriz muito importante no resultado das atividades fluidoterápicas.



MERECIMENTO

Para podermos em profundidade entender o merecimento faz-se necessário recorrer à teoria da reencarnação. Como esse tema, por si só, comporta muitos volumes e não é o nosso objetivo nesse estudo, nos limitaremos a um raciocínio de Kardec, simples e por demais objetivo, o qual se não leva os descrentes a aceitar a reencarnação, pelo menos os induz a pensar e reconhecer, logicamente que sua possibilidade é mais racional e justa que sua negação pura e simples. "Por virtude do axioma segundo o qual todo efeito tem uma causa, tais misérias (doenças incuráveis ou de nascença, mortes prematuras, reveses da fortuna, pobreza extrema, etc.) são efeitos que hão de ter uma causa e, desde que admita um Deus justo, essa causa também há de ser justa. Ora, ao efeito precedendo sempre a causa, se esta não se encontra na visa atual, há de ser anterior a essa vida, isto é, há de estar numa existência precedente a esta." (Allan Kardec, em O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap 5).



Isto posto, afiançamos que a questão do merecimento está diretamente ligada aos débitos do passado, tanto desta quanto de outras vidas, como aos esforços que vimos empreendendo para nos melhorarmos física, psíquica, moral e espiritualmente.



Porventura, se na vida anterior envolvemos a nós mesmos em pesados delitos, tendo comprometido igualmente nosso perispírito, teremos que assumir também as conseqüências de tais mazelas. Sendo o nosso órgão espiritual comparado a uma esponja que a tudo absorve, seguramente transferirá ao novo corpo as deficiências localizadas, as quais, dependendo da extensão e gravidade das faltas, demorarão para se reharmonizar, envolvendo-nos no aprendizado de valorização das reais finalidades orgânicas.



Por outro lado, se temos qualquer problema, que tomamos aqui, o fumo, e devido a esse fumo temos problemas pulmonares e queremos nos tratar, mas não largamos o cigarro, por mais ingentes sejam os esforços fluídicos empregados para o restabelecimento, tudo redundará em falhas ou ineficiência, no mesmo caso acontece, com os problemas psíquicos (cármico), e não nos esforçamos por melhorar nosso mundo mental, nosso padrão vibratório, nosso campo psíquico, dificilmente conseguiremos atingir nosso desiderato. Situações tais, vulgarmente chamadas de "ausência de merecimento", são fatores a serem considerados nos tratamentos fluidoterápicos.



Como a situação da falta de merecimento está vinculada diretamente com nossa inferioridade, poucos são os que aceitam tal explicação com tranqüilidade, pois, mesmo sendo quem somos, nos acreditamos melhores do que na realidade o somos e , por isso mesmo queremos "driblar" a espiritualidade fazendo rápidas e curtas e diria também sem sentimentos boas ações, com isso imaginando adquirir a "senha" do merecimento. E Aí, verificamos algumas opiniões sobre os passistas, no sentido de que eles não são "bons", não estão "amparados pelos espíritos", que não "servem para tal", e outras mais, todavia costumeiramente nos esquecemos que às vezes existe maior merecimento em continuar enfermo do que saudável.



Finalizando, diremos que não existe tratamento impossível, pitadas de altivez, animo, força de vontade, crescimento moral, fé são também disposições que permitimos a nós mesmo para uma futura melhoria física ou espiritual. E lembrando a máxima de Jesus que " a fé transporta montanhas".



A VONTADE

Iniciemos seu estudo com Kardec: " Sabe-se que papel capital desempenha a vontade em todos os fenômenos do magnetismo. Porém, como há de explicar a ação material de tão sutil agente? - A vontade é atributo essencial do espírito. Com o auxílio desse alavanca, ele atua sobre a matéria elementar e, por ação consecutiva, reage sobre seus compostos, cujas propriedades íntimas vêm assim a ficar transformadas. Tanto quanto do espírito errante, a vontade é igualmente atributo do espírito encarnado; daí o poder do magnetizador, poder que se sabe esta na razão direta da força de vontade. Podendo o espírito encarnado atuar sobre a matéria elementar, pode do mesmo modo mudar-lhe as propriedades, dentro de certos limites. (Livro dos Médiuns, cap 8, item 131).



A clareza e a objetividade destas palavras não nos deixam dúvidas. Tratam desde a origem, a sede da vontade, até seu alcance, sua desenvoltura, ligando-lhe a intensidade tais sucessos magnéticos da cura. A vontade, não podendo ser confundida como uma técnica em si, é a propulsora da ação fluidoterápica por excelência, tanto a nível de emissão fluídica como de recepção. Falamos recepção, pois também somos conhecedores que a vontade firme de receber absorve com maior profundidade e eficiência a ação fluídica do magnetizador e dos espíritos envolvidos na tarefa.



E os espíritos ainda, nos garantem que ela ( a vontade) pode ser aumentada por suas influências e ajuda, indiretamente confirmando-nos que, de fato, somos por eles dirigidos. (Livro dos Espíritos, questão 459).



" Compreendemos que a matéria mental é o instrumento sutil da vontade, atuando nas formações da matéria física, gerando as motivações de prazer ou desgosto, alegria ou dor, otimismo ou desespero, que não se reduzem efetivamente a abstrações, por representarem turbilhões de força em que a alma cria os seus próprios estados de mentação indutiva, atraindo para si mesmo os agentes de luz ou de sombra, vitória ou derrota, infortúnio ou felicidade". (André Luiz, Mecanismos da Mediunidade, cap 4 - Indução mental).



Então verificando todo o explanado acima, concluímos generalizando que só seremos bons passistas se, além dos caracteres anteriormente já analisados, possuirmos uma vontade firme e ativa, a qual é construída com ação e vivência consciente, e não só com palavras.