Total de visualizações de página

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

DESDOBRAMENTO

Bom dia, meus amigos de caminhada.

Temos reparado que o assunto mais lido e comentado aquí no nosso cantinho tem sido o desdobramento espiritual porisso volto a postar sobre o assunto. André Luís tem relatado com a excelência que lhe compete, todas as explicações sobre o assunto.
Recomendo que leiam o livro "Mecanismos da mediunidade" e outros da série de livros ditadas por tão nobre   professor.

"Considerável numero de pessoas, principalmente as que se adestraram para esse fim, efetuam incursões nos planos do Espírito, transformando-se, muitas vezes, em preciosos instrumentos dos Benfeitores da Espiritualidade, como oficiais de ligação entre
a esfera física e a esfera extrafísica. "

NO SONO ARTIFICIAL - Enfileirando algumas anotações com respeito ao desdobramento da personalidade, consoante as nossas referencias ao hipnotismo comum, recordemos ainda o fenômeno da hipnose profunda, entre o magnetizador e o sensitivo. 
Quem possa observar alem do campo físico, reparara, à medida se afirme a ordem do hipnotizador, que se escapa abundantemente do tórax do , caído em transe, um vapor branquicento que, em se condensando qual nuvem inesperada, se converte, habitualmente à esquerda do corpo carnal, numa duplicata dele próprio, quase sempre em proporções ligeiramente dilatadas. 
Tal seja o potencial mais amplo da vontade que o dirige, o sensitivo, desligado da veste física, passa a movimentar-se e, ausentando-se muita vez do recinto da experiência, atendendo a determinações recebidas, pode efetuar apontamentos a longa distancia ou transmitir noticias, com vistas a certos fins. 
Seguindo-lhe a excursão, ve-lo-emos, porem, constantemente ligado ao corpo somático por fio tenuíssimo, fio este muito superficialmente comparável, de certo modo, a onda do radar, que pode vencer imensuráveis distancias, voltando, inalterável, ao centro emissor, não obstante sabermos que semelhante confronto resulta de todo impróprio para o fenômeno que estudamos no campo da inteligência. 
Nessa fase, o paciente executa as ordens que recebeu, desde que não constituam desrespeito evidente a sua dignidade moral, trazendo informes valiosos para as realidades do Espírito. 
Notemos que aí, enquanto o carro fisiológico se detêm, resfolegante e imóvel, a individualidade real, embora teleguiada, evidencia plena integridade de pensamento, transmitindo, de longe. avisos e anotações através dos órgãos vocais, em circunstancias comparáveis aos implementos do alto-falante, num aparelho radiofônico. 
À semelhança do fluxo energético da circulação sanguínea, incessante no corpo denso, a onda mental e inestancável no Espírito. 
Esmaecem-se as impressões nervosas e dorme o cérebro de carne, mas o coração prossegue ativo, no envolt6rlo somático, e o pensamento vibra, constante, no cérebro perispirítico.
  NO SONO NATURAL    Na maioria das situações, a criatura, ainda extremamente aparentada com a animalidade primitivista, tem a mente como que voltada para si mesma, em qualquer expressão de descanso, tomando o sono para claustro remansoso das impressões que lhe são agradáveis, qual criança que, a solta, procura simplesmente o objeto de seus caprichos. 
Nesse ensejo, configura na onda mental que lhe é característica as imagens com que se acalenta, sacando da memória a visualização dos próprios desejos, imitando alguém que improvisasse miragens, na antecipação de acontecimentos que aspira a concretizar 
Atreita ao narcisismo, tão logo demande o sono, quase sempre se detém justaposta ao veiculo físico, como acontece ao condutor que repousa ao pé do carro que dirige, entregando-se a volúpia mental com que alimenta os próprios impulsos afetivos, enquanto a maquina se refaz. 
}

Ensimesmada, a alma, usando os recursos da visão profunda, localizada nos fulcros do diencéfalo, e, plenamente desacolchetada do corpo carnal, por temporário desnervamento, não apenas se retempera nas telas mentais com que preliba satisfações distantes, mas experimenta de igual modo o resultado dos próprios abusos, suportando o desconforto das vísceras injuriadas por ele mesmo ou a inquietude dos órgãos que desrespeita, quando não padece a presença de remorsos constrangedores, a face dos atos reprováveis que pratica, porquanto ninguém se livra, no próprio pensamento, dos reflexos de si mesmo.
  SONO E SONHO - Qual ocorre no animal de evolução superior, no homem de evolução positivamente inferior o desdobramento da individualidade, por intermédio do sono, é quase que absoluto estagio de mero refazimento físico. 
No primeiro, em que a onda mental e simplesmente fraca emissão de forcas fragmentarias, o sonho é puro reflexo das atividades fisiológicas. No segundo, em que a onda mental está em fase iniciante de expansão, o sonho, por multo tempo, será invariável ação reflexa de seu próprio mundo consciencial ou afetivo. 
Evolui, no entanto, o pensamento na criatura que amadurece, espiritualmente, através da repercussão. 
Como no caso do sensitivo que, fora do envoltório físico, vai até ao local sugerido pelo magne tizador, tomando-se a ordem determinante da hipnose artificial pelo reflexo condicionado que lhe comanda as idéias, a criatura na hipnose natural, fora do veículo somático, possui no pr6prio desejo o reflexo condicionado que lhe circunscrevera o âmbito da ação além da roupagem fisiológica, alongando-se até ao local em que se lhe vincula o pensamento. 
0 homem do campo, no repouso físico, supera os fenômenos hipnagógicos e volta à gleba que semeou, contemplando aí, em Espírito, a plantação que lhe recolhe o carinho; o artista regressa à obra a que se consagra, mentalizando-lhe o aprimoramento; o espírito maternal se aconchega ao pé dos filhinhos que a vida lhe confia, e o delinqüente retorna ao lugar onde se encarcera a dor do seu arrependimento. 
Atravessada a faixa das chamadas imagens eutópticas, exteriorizam de si mesmos os quadros mentais pertinentes à atividade em que se concentram, com os quais angariam a atenção das Inteligências desencarnadas que com eles se afinam, recolhendo sugestões para o trabalho em que se empenham, muito embora, à distância da veste somática, freqüentemente procedam ao modo de crianças conduzidas ao ambiente de pessoas adultas, mantendo-se entre as idéias superiores que recebem e as idéias infantis que lhes são próprias, do que resulta, na maioria das vezes, o aspecto caótico das reminiscências que conseguem guardar, ao retornarem a vigília. 
Nesse estágio evolutivo, permanecem milhões de pessoas - representando a faixa de evolução mediana da Humanidade - rendendo-se, cada dia, ao impositivo do sono ou hipnose natural de refazimento, em que se desdobram, mecanicamente, entrando, fora do indumento carnal, em sintonia com as entidades que se lhes revelam afins, tanto na ação construtiva do bem, quanto na ação deletéria do mal, entretecendo-se-lhes o caminho da experiência que lhes é necessária à sublimação no porvir.
  CONCENTRAÇÃO E DESDOBRAMENTO -Quantos se entregam ao labor da arte, atraem, durante o sono, as inspirações para a obra que realizam, compreendendo-se que os Espíritos enobrecidos assimilam do contacto com as Inteligências superiores os motivos corretos e brilhantes que lhes palpitam nas criações, ao passo que as mentes sarcásticas ou criminosas, pelo mesmo processo, apropriam-se dos temas infelizes com que se acomodam, acordando a ironia e a irresponsabilidade naqueles que se lhes ajustam aos pensamentos, pelo trabalho a que se dedicam. 
Desdobrando-se no sono vulgar, a criatura segue o rumo da própria concentração, procurando, automaticamente, fora do corpo de carne, os objetivos que se casam com os seus interesses evidentes ou escusos. 
Desse modo, mencionando apenas um exemplo dos contactos a que aludimos, determinado escritor exporá idéias edificantes e originais no que tange ao serviço do bem, induzindo os leitores à elevação de nível moral, ao passo que outro exibirá elementos aviltantes, alinhando escárnio ou lodo sutil com que corrompe as emoções de quantos se lhe entrosam à maneira de ser.
INSPIRAÇÃO E DESDOBRAMENTO - Dormindo o corpo denso, continua vigilante a onda mental de cada um - presidindo ao sono ativo, quando registra no cérebro dormente as impressões do Espírito desligado das células físicas, e ao sono passivo, quando a mente, nessa condição, se desinteressa, de todo, da esfera carnal. 
Nessa posição, sintoniza-se com as oscilações de companheiros desencarnados ou não, com as quais se harmonize, trazendo para a vigília no carro de matéria densa, em forma de inspiração, os resultados do intercambio que levou a efeito, porquanto raramente consegue conscientizar as atividades que empreendeu no tempo de sono. 
Muitos apelos do pIano terrestre são atendidos, integralmente ou em parte, nessa fase de tempo. 
Formulado esse ou aquele pedido ao companheiro desencarnado, habitualmente surge a resposta quando 0osolicitante se acha desligado do vaso físico. Entretanto, como nem sempre o cérebro físico está em posição de fixar o encontro realizado ou a informação recebida, os remanescentes da ação espiritual, entre encarnados e desencarnados, permanecem, naqueles Espíritos que ainda se demorem chumbados à Terra, à feição de quadros simbólicos ou de fragmentarias reminiscências, quando não sejam na forma de súbita intuição, a expressarem. de certa forma, o socorro parcial ou total que se mostrem capazes de receber.
  DESDOBRAMENTO E MEDIUNIDADE - As ocorrências referidas vigem na conjugação de ondas mentais, porque apenas excepcionalmente consegue a criatura encarnada desvencilhar-se de todas as amarras naturais a que se prende, adstrita as conveniências e necessidades de redenção ou evolução que lhe dizem respeito.
É 
imperioso notar, porém, que considerável numero de pessoas, principalmente as que se adestraram para esse fim, efetuam incursões nos planos do Espírito, transformando-se, muitas vezes, em preciosos instrumentos dos Benfeitores da Espiritualidade, como oficiais de ligação entre a esfera física e a esfera extrafísica. 
Entre os médiuns dessa categoria, surpreenderemos todos os grandes místicos da fé, portadores de valiosas observações e revelações para quantos se decidam marchar ao encontro da Verdade e do Bem. 
Cumpre destacar, entretanto, a importância do estudo para quantos se vejam chamados a semelhante gênero de serviço, porque, segundo a Lei do Campo Mental, cada Espírito somente logrará chegar, do ponto de vista da compreensão necessária, até onde se lhe paire 0 discernimento.

(Mecanismos da Mediunidade, cap. XXI, André Luiz/Chico Xavier/Waldo Vieira, FEB)