Total de visualizações de página

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Coluna do jornal " o tempo" - belo Horizonte


DEUS, IMUTÁVEL QUE É, NÃO FICA MAIOR E MENOS AINDA SE TORNA MENOR  



      Quero deixar claro que nunca tenho interesse de agredir a Igreja Católica e nenhuma das outras igrejas cristãs ou qualquer outra religião. O que acontece é que defendo a teologia espírita, que é bíblica e, automaticamente, ela se opõe às teologias das outras crenças cristãs, que são mais baseadas em dogmas e não tanto na Bíblia, embora muitas pessoas não saibam disso.
       E vamos à Bíblia, que é monoteísta, e para a qual Jesus não é Deus. “No Princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”. (João 1: 1). O princípio aqui é da Terra e não do Universo. Verbo é Fala e a Fala estava com Deus. Ora quem está com Deus é um, e Deus é outro. Jesus é a Fala de Deus para nós, sendo também, pois, figuradamente ou de certo modo, Deus. Mas na verdade, como foi dito acima, a fala de um ser não é bem o ser que fala. O Verbo é a fala (porta-voz) de Deus para nós.
       Jesus disse, simbolicamente: Quem me vê, vê o Pai. (João 10: 30). Parece que os dois são apenas um. Mas será que João assim o entendeu? Não, e aqui concordamos com os teólogos dogmáticos, que também aceitam que o Pai é um e o Filho é outro. O que Jesus quis dizer foi que o Pai e Ele estão em total sintonia.  E o próprio Jesus mostra que Eles são diferentes: “Eu sou a videira, meu Pai o avicultor”. (João 15: 1); “Falo como o Pai me ensinou”. (João 8: 28); “Subo para meu Pai e vosso Pai, para meu Deus e vosso Deus.” (João 20: 17); “O Pai é maior do que eu”. (João 14: 28); De fato, Deus, o Pai, é um e Jesus, o Filho, é outro. E eis o que ensina são Paulo: “Há um só Deus verdadeiro e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem”. (1 Timóteo 2: 5). Jesus e nós somos deuses, mas relativos: “Vós sois deuses”. (João 10: 34). Jesus é o nosso Irmão Maior, pois é o ser humano mais perfeito que já houve na Terra. É nesse sentido que Ele é o Unigênito do Pai. “Por que me chamas bom? Ninguém é bom, senão um só, que é Deus”. (Marcos 10: 18); “Para nós há um só Deus, o Pai”. (1 Coríntios 8: 6); “Um só Deus e Pai de todos”. Efésios 4: 6); “Um só é o vosso Pai”. (Mateus 23: 9). E eis o próprio Jesus se definindo: “Sou Filho de Deus”. (João 10: 36).
      Deus não pode criar outro Deus absoluto igual a Ele, pois esse novo Deus não seria sempiterno, já que seria criatura e teria tido começo, e Deus é incriado. Deus não poderia criar outro Deus inferior a Ele, pois, Deus seria imperfeito, por estar criando um novo Deus inferior. E não poderia criar outro Deus superior a Ele, pois o efeito não pode ser maior do que a causa. Ademais, como já foi dito, nenhum ser, que é criado, pode ser Deus verdadeiro ou absoluto, pois Deus é sempiterno e incriado! Logo Jesus é Deus, sim, mas relativo e não absoluto, pois é criatura e não é sempiterno.
      Ademais, Deus é imutável. E, se Jesus fosse Deus mesmo, além de Deus se ter modificado, ao se tornar homem, esse Deus se teria tornado também inferior, o que seria uma aberração teológica!
       PS:
      1) 5. Deutscher Kongress für Psychomedizin  (5º Congresso Alemão de Medicina da Alma), de 3 a 4 de novembro de 2012, em Bonn-Röttgen.Contato:vital.cruvinel@gmail.com   http://www.kongress-psychomedizin.com/
       2) VI Congresso de Saúde e Espiritismo de Minas Gerais, da   Associação Médico-Espírita de MG (AMENG) e VIII Congresso do Departamento Acadêmico da AME-Brasil. Tema: “Caminhos para a Cura do Corpo e da Alma”, de 31-8 a 2-9-2012, em Belo Horizonte (MG). Inscrições: Patrícia (31) 3332-5293. www.ameng.com.br